Já vimos muitos jovens fazendo loucuras para impressionar suas namoradas, ou, até mesmo, uma garota de quem ele esteja a fim, mas, neste caso, um jovem fez uma loucura que quase lhe custou a vida.

Alexander Shadrin, de 16 anos, passou por um milagre recentemente. Tudo porque ele estava tentando impressionar um garota, se pendurado na varanda do 23° andar de um prédio, em Novosibirsk. Testemunhas que estavam no local na hora do #Acidente, disseram que o rapaz estava junto de uma jovem, e que ele queria fazer algo absurdo para chamar a atenção da moça.

Segundo informações das testemunhas, Alexander havia subido na varanda para chamar a atenção da jovem, quando escorregou e caiu.

Publicidade
Publicidade

Por sorte do garoto, ele caiu em cima de uma carro que estava estacionado em frente ao edifício em que ele se encontrava.

Ele foi levado ao hospital da cidade, com vários ferimentos pelo corpo, mas não corre risco de vida. A polícia tomou o depoimento dos pais do rapaz e da moça que estava com ele no momento da #Queda, o caso está sendo investigado.

Caso semelhante também aconteceu aqui no Brasil, quando um adolescente de 13 anos caiu do 13° andar, na Zona Sul do Rio. O jovem também teve a mesma sorte, e teve sua queda amortecida por umas das telhas de metal que protegem os carros estacionados do sol.

Vizinhos relataram que deu para ouvir de longe o barulho da queda. A altura da queda foi de, mais ou menos, 40 metros. Eles também disseram que, na casa do adolescente, estavam os pais e irmãos do jovem.

Publicidade

"Foi um susto enorme. Parecia uma explosão de gás. Quando chegamos no local, nos deparamos com o jovem ainda consciente, e, graças a Deus, ele estava vivo. A equipe do corpo de bombeiros chegou rápido, demorou cerca de 10 minutos.", disse um dos vizinhos.

Muitos moradores de prédios optam por colocar telas de proteção para evitar que crianças subam nas varandas e aconteça alguma tragédia como muitas que vimos por aí. É recomendado, principalmente para famílias que tenham crianças pequenas em casa, na faixa dos 3 a 6 anos de idade, quando elas não têm muita consciência do que estão fazendo.