O caso é chocante não só pelo juiz ter colocado em causa uma vítima de violação, mas também porque, por força de suas conclusões, ele acabou ilibando um estuprador. Aconteceu no Canadá, durante o julgamento de um homem que estuprou uma menina de 19 anos em uma festa. O juiz Robin Camp, apesar das provas apontarem para violação, quis saber por que a garota não ofereceu maior resistência. Sua atuação no Tribunal foi tão agressiva que poderá lhe custar o cargo de juiz federal. O homem já pediu desculpas para a vítima, admitindo o ##Preconceito que sente nesses casos. 

D acordo com os registros desse julgamento, o juiz perguntou, diretamente para a garota, se ela não conseguia "manter seus joelhos unidos", questionando se a menina não podia ter resistido mais ou até se, de alguma forma, ela tinha consentido esse estupro.

Publicidade
Publicidade

Robin Camp falou ainda que, por vezes, o "sexo e a dor vêm juntos", o que não é necessariamente mau, sugerindo uma vez mais que a menina podia não ter sido vítima nesse caso.

Sua reflexão terminou com o argumento de que é normal que as "garotas gostem de sexo", especialmente quando "estão bêbadas". Declarações muito fortes desse juiz, que teriam deixado a vítima arrasada. "Ele me fez odiar a mim mesma", contou a jovem, depois desse caso se ter tornado público. Durante essa sessão, a garota teria mesmo pensado onde tinha errado e se poderia mesmo ter feito alguma coisa para evitar o ##Estupro, declarando que o juiz a fez sentir como se ela fosse "uma vadia". 

Para agravar ainda mais o mal-estar da garota, o violador não foi condenado. O homem foi mandado em liberdade, apenas com uma recomendação.

Publicidade

Para o juiz, o homem devia avisar seus amigos para serem "mais carinhosos" com as mulheres, de forma a "se protegerem" desse tipo de acusações. 

O caso ficou público e o julgamento será repetido, em novembro, com um outro juiz. Quanto a Robin Camp, o Conselho está pedindo para que seja afastado do cargo de federal, por seu comportamento "preconceituoso". O homem lamentou o sucedido e pediu desculpas para  vítima, dizendo ter errado, por julgar as pessoas todas da mesma forma. Para o juiz, existe um padrão de comportamento idêntico entre todas as vítimas de estupro, e não conseguiu se abstrair do pensamento que as mulheres não resistem mais, não por não conseguirem, mas por não quererem. 

E o leitor, o que pensa desse caso? Que comentário lhe merece a atuação desse juiz? Comente!  #Justiça