Duas mulheres foram presas, no inicio da semana, nos Estados Unidos, acusadas de praticar crime de #incesto.

Elas são: Patricia Ann Spann, de quarenta e três anos, e Misty Velvet Dawn Spann, de 25 anos.

Apesar de não compartilharem o mesmo sobrenome, Patricia é a mãe biológica de Misty, e ambas se casaram legalmente em março deste ano, no estado de Oklahoma, já que lá, o #Casamento entre pessoas do mesmo sexo é legalizado.

O problema é que as mulheres não revelaram à Justiça sobre o seu parentesco, já que neste estado o incesto (relacionamento sexual entre parentes próximos) é terminantemente proibido.

Depois que o parentesco das mulheres foi descoberto, descobriu-se uma história ainda mais assustadora.

Publicidade
Publicidade

Patricia também teria se casado com seu filho, em 2008, e o relacionamento sobreviveu apenas um pouco mais de um ano. Na petição do divórcio, o filho declarou que, de fato, estava em uma relação de incesto, isso ficou registrado nos autos.

Questionada sobre a acusação, Patricia contou que as crianças foram criadas pela avó, e que nunca manteve contato com elas. Ela conta que só conheceu a filha depois que esta já era maior de idade, e que, desde a primeira vez que se viram, se sentiram atraídas uma pela outra, e que o relacionamento acabou sendo inevitável. 

Ela ainda contou acreditar não estar cometendo nenhum crime, já que a filha não carrega seu sobrenome.

As duas foram detidas e a Justiça estabeleceu que fosse paga uma fiança no valor de U$ 10.000, o equivalente a quase R$ 33.000,00.

Publicidade

A fiança foi estabelecida apenas para que as acusadas aguardem o julgamento do processo  em liberdade, no entanto, se condenadas, cada uma poderá ter que cumprir até 10 anos de prisão em regime fechado. As Justiça costuma ser bastante severa nos Estados Unidos, quando se trata de crimes de incesto.

O fato vem sendo encarado, por lideres religiosos, como um sinal apocalíptico, apesar desse não se tratar do primeiro caso em que uma mãe se casa com o próprio filho.

Recentemente, uma mulher entrou na Justiça pedindo o direito de namorar o filho. #Mundo