Um caso bizarro, reportado neste domingo (18) pelo jornal britânico Daily Mirror, expõe o estranho amor de uma mãe pelo filho.

Embora as genitoras se relacionem de forma única com os rebentos, uma mulher, moradora do bairro Brooklyn, em Nova York (EUA), transcendeu qualquer demonstração de afeto.

Ela, que não teve o nome revelado, manteve o corpo do filho - em estado de decomposição -, escondido no interior da casa onde reside, por um período de oito anos. A secreta relação post-mortem foi descoberta neste fim de semana pelos parentes da mulher. Eles ficaram horrorizados.

A cena do corpo putrefato dentro da moradia, observada pelos familiares da americana, remete ao clássico filme Psicose (1960), dirigido pelo mestre do suspense Alfred Hitchcock.

Publicidade
Publicidade

Na película, o protagonista mata a mãe e o amante. Depois, ele mantém o corpo da genitora sentado numa cadeira, no sótão de casa. No decorrer do trailer, o personagem Norman Bates procura vivenciar o papel da mãe. Ele se veste e se porta como a falecida.

Embora não haja detalhes sobre o comportamento da mulher com relação ao filho morto, a descoberta só foi possível devido a um acidente sofrido pela norte-americana. Após uma queda, ela foi encaminhada ao hospital.

Com objetivo de buscar roupas e outros utensílios para a idosa, um parente entrou na residência e acabou por se deparar com a horripilante imagem do cadáver do homem. Após o flagrante, a polícia foi acionada.

Sujeito tinha 50 anos

Apesar de não haver maiores detalhes sobre o cadáver do ‘filhinho da mamãe’, informações iniciais apontam que ele era um ex-motorista de táxi, que estava gravemente enfermo quando morreu aos 50 anos de idade.

Publicidade

Segundo membros da família, que não sabiam que ele havia morrido, o taxista não era visto há 20 anos. Contudo, parentes ressaltam o fato do veículo do americano, um Ford Explorer, ter passado anos estacionado na casa da mãe.

Vizinhos da mulher alegam que ela era uma pessoa reclusa e se portava de maneira esquisita. "Ela andava olhando para baixo. Algo sobre ela sempre me pareceu um pouco estranho", fala um morador próximo que também não teve a identidade informada.

Mesmo que o amor de uma mãe pelo filho seja algo único, às vezes, ele se transforma em negação, onde a pessoa detentora desse sentimento não aceita a perda.

Por isso, não deixe de amar, mas com moderação. #Mídia #Curiosidades #Viral