Terminou o julgamento do caso de Scarlett Keeling, uma menina de 15 anos que foi drogada, violada e assassinada em Goa, na Índia. Dois homens foram acusados de ter cometido o grave #Crime, em uma praia turística da cidade, em 2008. O julgamento se arrastou por anos e só agora teve seu final, com os dois homens sendo absolvidos pela #Justiça indiana. A #mãe de Scarlett, Fiona MacKeown, ficou arrasada com a sentença e acusa um britânico, que tinha visto o crime, e agora se "acovardou" e mudou seu testemunho, o que acabou sendo decisivo para que o julgamento não desse em nada. 

Certo, para já, é que Scarlett Keeling foi vítima de um crime bárbaro e ninguém irá pagar por isso.

Publicidade
Publicidade

A mãe da menina promete recorrer ao supremo tribunal de justiça. Ela se recusa a aceitar essa sentença e que os criminosos fiquem em liberdade, depois de terem lhe roubado sua filha. 

Fiona ainda não aceita que deixou a filha sair de casa naquele Dia de S. Valentim, em 2008. A menina foi em uma festa na praia e não regressou com vida. No entanto, promete continuar sua luta para que a justiça seja feita e que a morte de sua filha seja vingada. "Não esperei oito anos para isso", falou a mãe, indignada, na saída do tribunal. 

O britânico Michael Mannion falou que viu Samson D'Souza, de 36 anos, junto com Scarlett, na praia. Em um de seus testemunhos, fora do tribunal, disse mesmo que viu o homem dando um comprimido para a garota e fazendo linhas de cocaína. 

Samson D'Souza e Placido Carvalho, de 47 anos, foram os dois acusados pela violação e morte da menina, que depois de ter sido drogada e violada, teria sido largada na praia, inconsciente.

Publicidade

Com a subida da maré, a menina acabou se afogando.

Agora, Mannion, que seria a única testemunha, decidiu não ir ao julgamento e condicionou toda a decisão do juiz, que, alegadamente, não teve provas suficientes para condenar os dois suspeitos, deixando eles em liberdade. Para a mãe de Scarlett, essa foi a segunda vez que esse britânico deixou sua filha ficar mal. Primeiro, em 2008, falhou quando deixou a garota sozinha com esses homens, na praia. E falhou agora, por não contar tudo aquilo que viu naquela noite. 

O processo vai agora seguir para recurso.