Ultimamente algumas histórias de mães e filhos que vivem um relacionamento estão se espalhando na internet. Mas há um caso muito surpreendente: uma mãe, que após ser casada com o próprio filho, casou-se também com a sua filha. Continue lendo para entender o caso.

A história que está causando muita polêmica no mundo inteiro aconteceu nos Estados Unidos, em Oklahoma e rapidamente deixou muitas pessoas espantadas. Uma mulher de 43 anos, Patricia Ann Spann, foi acusada recentemente por incesto. Isso aconteceu depois de Patricia se casar com Misty Velvert Dawn, a própria filha, uma jovem de 25 anos.

Ambas foram presas e só podem sair com o pagamento de uma fiança no valor de 10 mil dólares para cada uma delas.

Publicidade
Publicidade

Mãe se casa com própria filha: como a história foi descoberta?

O casamento incestuoso entre mãe e filha foi descoberto após uma longa investigação realizada na casa da família pelo Departamento de Serviços Humanos local. O que mais espanta é que em 2008, a mãe também se casou com Jody Calvin Spann, o próprio filho.

Em declaração a equipe de investigação, a mãe disse que o relacionamento com a sua filha acabou acontecendo naturalmente. Segundo Patricia, há dois anos as duas se reencontraram e então passaram a se interessar uma pela outra e começaram a se relacionar.

Quando questionada sobre o casamento anterior com seu filho, Patricia diz que foi apenas para ajudar o jovem a ser dispensado do Exército na época. Patricia perdeu a guarda dos seus dois filhos quando Jody e Misty ainda eram crianças.

Publicidade

Já a versão de Jody, o filho anteriormente casado com o mãe, é ainda mais polêmica. Ele afirmou a um jornal estadunidense que Patricia o manipulou e depois manipulou sua irmã para que os dois se casassem com a mãe. Ele ainda afirma que várias pessoas conhecidas podem afirmar o mesmo sobre o caso.

Oklahoma é um dos estados americanos com legislação que prevê #Crime de incesto para qualquer casamento, seja com relações sexuais ou não, entre duas pessoas que são da mesma famlia.

E você, o que acha sobre o caso? Deixe a sua opinião nos comentários abaixo!

  #EUA