Diane Rodríguez e Fernando Machado, um jovem casal transgênero que se conheceu pela internet, mais precisamente pelo Facebook, acaba de ter seu primeiro filho. Fernando, o pai, deu à luz a um menino, que ainda não teve o nome divulgado, apesar da mãe já afirmar que sabe como irá chamar a criança. Por enquanto, o casal apelidou carinhosamente o filho, que está com 18 semanas de vida, de "Caracol".

O jovem casal se conheceu pela rede social, quando Diane estava em busca de alguém que pudesse ser seu companheiro, com quem pudesse construir uma #Família e com quem pudesse enfrentar todo o preconceito que existe em seu país.

Publicidade
Publicidade

Em meio à busca, conheceu Fernando, que também é #Transgênero. Após alguns dias de conversa por mensagens, Fernando, que nasceu na Venezuela, decidiu pegar um ônibus e ir em busca da amada no Equador. Depois disso, o casal começou a morar juntos, e, em 3 semanas, Fernando já estava esperando o primeiro filho do casal. 

Fernando nasceu menina e Daiane nasceu menino, a gestação só foi possível pois ambos preservaram seus órgãos genitais e não se submeteram a cirurgia de mudança de sexo. Sendo assim, Fernando engravidou sem a ajuda de nenhum procedimento médico. 

Apesar de parecer tudo perfeito, infelizmente nem tudo são rosas nessa história, pois ser um casal transgênero no Equador não é fácil, o país não respeita as minorias sexuais e tem diversos casos de violência e intolerância. Inclusive a própria Diane já passou por isso, episódios de sua vida que prefere não lembrar.

Publicidade

A jovem se diz ativista e posta diversas fotos com Fernando, conseguindo milhares de likes com elas.

Diane já tentou a carreira política, sendo a primeira transgênero a se candidatar para o Congresso, em 2013, no Equador. Apesar de não ter conseguido ser eleita, ela ainda almeja o Senado em 2017.

Agora é só torcer para que o jovem casal, considerado o casal transgênero mais famoso da América Latina, consiga realizar seus sonhos e possam criar seu filho em um mundo melhor, com mais amor, menos preconceito e muita compreensão.  #Maternidade