Um pescador das Filipinas entregou às autoridades locais o que acredita ser uma das maiores pérolas já encontradas no país. Segundo informações, o objeto pesa em torno de 34 kg, com mais de 30 centímetros de largura e aproximadamente 1,10 metro de comprimento. O pescador, que não teve seu nome revelado, afirma que teria encontrado o material após seu barco ficar encalhado durante uma tempestade em alto mar.

O caso teria acontecido em uma região próxima às ilhas Palawan, nas Filipinas. Na ocasião, o mergulhador contou às autoridades locais que após mergulhar para desprender a âncora, teria se deparado com o objeto considerado pelo homem como um amuleto da sorte.

Publicidade
Publicidade

Ele acabou guardando o material embaixo de sua cama por um longo tempo.

Atualmente, a pérola está avaliada em cerca de 100 milhões de dólares, o equivalente a 322 milhões de reais. A prefeitura da cidade de Puerto Princesa aguarda pela autenticidade do material para oficializar a notícia. Familiares do mergulhador acreditam que ele não estava muito ciente do valor do material quando resolveu entregá-lo às autoridades. Nós próximos dias, o município de Puerto Princesa deverá receber um título de prestígio, além de receber o título como a cidade de maior pérola do mundo.

De acordo com informações, boa parte das pérolas gigantes encontradas ao redor do mundo foram encontradas em águas próximas à região de Palawan. Em outro caso registrado na Austrália, arqueólogos afirmaram ter encontrado uma pérola contendo mais de 2 mil anos.

Publicidade

O material teria sido encontrado dentro de uma região remota localizada ao oeste da costa australiana. A pedra é semelhante a uma gema é considerada como insubstituível na região. Atualmente, seria a única pérola encontrada dentro de um sítio arqueológico da Austrália. Pesquisadores da Universidade de Wollongong afirmam que foi preciso em torno de cinco anos para estudar a idade da pérola. Na ocasião, não foi utilizada nenhuma tecnologia invasiva a fim de evitar maiores danos ao material, informou o professor Kat Szabo, responsável pelo estudo. As análises de rádio carbono comprovam que o material tenha em torno de 2 mil anos de idade ou mais. #Entretenimento #Curiosidades