Considerado um dos maiores produtores de petróleo da África Subsaariana - parte do continente africano situado ao Sul do deserto do Saara -, o pequeno e violento país da Guiné Equatorial está sob o comando do sangrento e pervertido ditador, Teodoro Obiang Nguema, 74 anos.

Conforme o jornal inglês Daily Mirror, a população do país, inferior a 1 milhão de habitantes, estremece de pavor ao ouvir o nome do tirano, acusado de comer o cérebro e os testículos dos inimigos, como forma de aumentar a ‘vitalidade’.

Além de matar os rivais com variados requintes de crueldade, o ambicioso Nguema, no comando do país desde 1979, teve que exterminar a própria família para chegar ao poder.

Publicidade
Publicidade

Antes de ocupar o cargo, ele dizimou o tio, Francisco Macias N'guema, primeiro presidente pós-colonial da Guiné Equatorial, que governou o território de 1968 até ser assassinado em 1979. A mulher e os filhos de Francisco também foram mortos pelo sobrinho canibal.

Embora a administração daquela nação reivindique o status de governo presidencialista, a população não tem opção de escolha partidária. Os únicos no comando são o presidente e seus comparsas.

Qualquer opositor político que se proponha a questionar a administração do monstruoso líder da nação é, literalmente, devorado pelo canibal e chefe de Estado.

Em prol da ‘saúde’

Conforme declarações do rival político, Severo Moto, atualmente exilado em outro país (não informado), o ditador havia comido os testículos e o cérebro de um policial, contrário ao modus operandi de Teodoro Obiang Nguema.

Publicidade

“Ele acabou devorando um comissário de polícia. Eu digo devorando porque este comissário foi enterrado sem os testículos e o cérebro”, revela.

Segundo a população, o ditador, que mantém o hábito de esfolar os adversários vivos, acredita que terá o vigor sexual acentuado ao consumir partes do corpo dos rivais.

Autoproclamado ‘Deus’

A propaganda divulgada pelos assessores do ditador, há 37 anos no poder, ultrapassa os conceitos convencionais da publicidade e cede lugar ao folclore.

No entendimento dos defensores de Nguema, o ancião ultrapassou a humanidade ao atingir a apoteose e virar um verdadeiro ‘semideus’, cheio de poderes sobrenaturais e sabedoria incontestável.

De acordo com um dos assessores do sádico ditador, que acredita no fato de Nguema manter contato direto com o Deus supremo, ele tem autoridade para aniquilar qualquer indivíduo sem apresentar motivo para isso. “Ele pode decidir matar sem ninguém chamá-lo a prestar contas e sem ir para o inferno, porque é o próprio Deus, com quem ele está em contato permanente e que lhe dá essa força", declara o assecla.

Publicidade

Embora o tirano não respeite diversos tratados internacionais, como os Direitos Humanos, ele é oficialmente reconhecido como líder do país pela Organização das Nações Unidas (ONU). Inclusive, em 2009, Teodoro Obiang Nguema falou durante Assembleia geral da ONU.

Atualmente, existe a suspeita de que ele esteja com câncer de próstata. Se, algum dia o ‘deus vivo’ morrer, seu filho Teodoro Nguema Obiang Mangue, 46 anos, assumirá a presidência daquele país. #Mídia #Curiosidades #Internet