Esta semana estava previsto o encontro entre o presidente Barack Obama, dos Estados Unidos, e Rodrigo Duterte, da Filipinas, mas a Casa Branca informou que o encontro entre os dois presidentes foi cancelado. O motivo foi que, no mesmo dia, em uma entrevista, o presidente Rodrigo Duterte xingou Obama de “filho da p...”. 

O evento era um encontro que aconteceria durante a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN). E estava previsto que as discussões se desdobrassem em torno das questões dos #Direitos Humanos.

O presidente norte-americano fez várias declarações contra as políticas adotadas pelo filipino em relação ao tráfico de drogas.

Publicidade
Publicidade

Aponta-se que, nos últimos dois meses, a polícia filipina tenha matado cerca de mais de 2 mil traficantes de drogas. O que indica é que presidente liberou a caça de forma extrajudicial. Contudo, há indícios de que, nessas execuções, inocentes tenham morrido, o que vem despertando questionamentos não só de Obama, mas de toda comunidade internacional.

Antes da viagem para se encontrar com o presidente americano, o presidente Duterte foi interpelado por jornalistas e declarou, em entrevista pública, a ofensa ao presidente Obama.  Ao ser questionado por jornalistas sobre a intromissão de Obama em suas “políticas” o presidente respondeu: “Filho da p..., vou xingá-lo no fórum”.

Após as declarações do presidente filipino, Obama classificou Duterte como “pitoresco”. Disse que, sempre, antes das reuniões, faz uma consulta com sua equipe para saber se realmente valeria a pena discutir.

Publicidade

Assim, diante das declarações de Duterte, o presidente norte-americano resolveu se reunir com o presidente da Coréia do Sul, no mesmo horário que se reuniria com Duterte.

Não é a primeira vez que o Presidente Rodrigo Duterte xinga publicamente um líder de Estado. No ano passado, em um de seus discursos de campanha, ele também chamou o Papa Francisco de “Filho da p...”. Isso porque quando o Papa visitou as Filipinas, ele causou um enorme engarrafamento. Duterte, que também é advogado, tem 71 anos de idade, é um presidente recém eleito; ele fez isso mesmo sabendo que, em seu país, há cerca de 80% de devotos católicos.  Esse ano ele foi ao Vaticano para pedir desculpas ao Papa Francisco.

  #Política #Mundo