#Damasco é uma das cidades habitadas mais antigas do mundo e já foi conquistada várias vezes. #Isaías profetizou o destino da cidade na Bíblia: “Damasco deixará de ser cidade e se tornará um monte de ruínas. Suas cidades serão abandonadas; serão entregues aos rebanhos que ali se deitarão, e ninguém os espantará", disse. 

Damasco é a capital da #síria e sede do regime do ditador Bashar al-Assad e, conforme pode-se ver no mapa, fica no sul da Síria. As guerras atuais ocorrem mais ao norte. Se o mundo estiver vivendo no período do cumprimento da profecia de Isaías, então este conflito que está ao norte da Síria chegará até os portões de Damasco e isto causará a sua completa destruição.

Publicidade
Publicidade

A situação na Síria é bastante complicada e tudo começou com a primavera árabe, que aconteceu a partir de dezembro de 2010. A primavera árabe foi uma grande revolta popular nos países muçulmanos,que começou com Mohamed Bouazizi, que ateou fogo no seu próprio corpo em uma forma de protesto contra a injustiça, a perseguição, o desemprego, e as péssimas condições de trabalho no seu país, a Tunísia. Este ato desesperado de Bouazizi acabou com sua própria vida e revoltou milhões de pessoas que deram início à primavera árabe. Após a morte de Bouazizi, os protestos da primavera árabe alcançaram diversos países no norte da África e no Oriente Médio, e conseguiram derrubar muitos ditadores que estavam há muito tempo no poder, como Muammar Gaddafi na Líbia, Ben Ali na Tunísia, Mubarak no Egito e outros.

Publicidade

Quando esta onda de revolta chegou na Síria, Assad temeu ser destituído do poder, assim como os outros ditadores, então ordenou um feroz ataque militar contra os manifestantes que causou a morte de dezenas de pessoas. Isto somente fez crescer a revolta popular contra ele. Após este ataque, em 2011, as forças opositoras de Assad ganharam apoio popular e se iniciou a guerra civil na Síria, que dura até os dias de hoje. De 2011 a 2013 Assad lutou ferozmente contra estas forças opositoras que se auto denominaram Coligação Nacional da Síria, e esta força opositora foi até mesmo reconhecida por outros países como uma força representante do povo sírio. Além da Coligação Nacional da Síria, outros grupos também se formaram com o intuito de remover Assad. O principal deles é a frente Al-Nusra. Com esta revolta popular os Estados Unidos e seus aliados viram uma oportunidade de remover Assad do poder e decidiram ajudar os grupos opositores contra o regime de Assad, dando armamentos e treinamento aos rebeldes.

Publicidade

Em 2014 o Estado Islâmico (Daesh) declarou seu califado e conquistou várias partes do Iraque e, aproveitando a guerra civil na Síria, também conquistou grandes áreas do território sírio. O Daesh lutou contra todas as frentes de combate na Síria, tanto contra os rebeldes opositores de Assad quanto também contra as forças de Assad, e por incrível que pareça conseguiu dominar tudo por onde passava. No fim de 2014 os Estados Unidos, vendo que o Daesh tinha se tornado uma grande ameaça na região e estava destruindo as forças rebeldes, decidiu participar mais ativamente da guerra, e passou a bombardear as posições do Daesh.

Em 2015 Assad já tinha perdido muito do seu território e se viu encurralado, prestes a perder todo o governo. Então Assad pediu ajuda à Rússia, que sempre foi sua aliada militar e econômica, e a Rússia começou a participar mais ativamente da guerra, em favor de Assad. A Rússia foi tão eficiente em seus ataques que, pela primeira vez, o Daesh começou a perder força e território. Neste período o Hezbolah, no Líbano, e o Irã também começaram a participar mais ativamente desta guerra em favor de Assad.

Em 2016 a China entrou no combate do lado da Rússia e de Assad.

Com isto veja que, a cada ano, mais e mais países estão entrando neste combate, e com tantas nações participando desta guerra, há uma grande possibilidade que a profecia de Isaías esteja bem próxima de ser cumprida.