A grave #Crise econômica pela qual o país da #Venezuela está passando, e que tem sido muito noticiada, vem afetando todos os setores da região, inclusive o da #Saúde. Um Hospital do país, por falta de berços próprios, não teve outra opção a não ser colocar os recém-nascidos para dormir em caixas de papelão. 

É desumana a situação, os bebês dormem em condições totalmente impróprias, apertados e a caixa ainda é colocada no chão. A triste imagem ganhou as mídias através de um funcionário do hospital da cidade de Barcelona, em Anzoátegui e mostra como estão escassos os itens médicos de primeira necessidade.

A imagem foi compartilhada pela oposição do então presidente Nicolás Maduro nas redes sociais e rapidamente ganhou repercussão mundial.

Publicidade
Publicidade

Autoridades prometeram abrir uma investigação em relação a essa situação.

Vários hospitais e centros médicos do país estão sofrendo com a falta de suprimentos básicos para o trabalho na saúde e os próprios médicos tem feito denúncias sobre a dificuldade que encontram para cuidar dos pacientes doentes.

Uma situação que ocorreu na Venezuela durante este ano, e que chocou e comoveu a população, foi o falecimento de duas crianças, por não terem recebido os medicamentos que necessitavam para ficarem boas.

Mas não é só a área da saúde que está sendo afetada com essa crise no país vizinho, além da falta de suprimentos nos hospitais, a população sofre também com a escassez de alimentos, principalmente o milho e o arroz, e de remédios, os antibióticos simplesmente desapareceram das prateleiras das farmácias, além disso, estão encarando a inflação mais alta do mundo inteiro. De acordo com as projeções do FMI- Fundo Monetário Internacional, o índice da inflação na Venezuela, pode alcançar os 720% nesse ano de 2016.

Publicidade

Outra situação que está agravando a crise econômica na Venezuela é o declínio na indústria do petróleo, que sempre representou metade das receitas do governo, mas esses lucros estão cada vez mais baixos, devido à má administração e a queda nos preços do produto nos últimos anos.