Parece que a virgindade está virando realmente algo muito importante e raro no mundo. Isso porque não faltam pessoas que leiloam o próprio corpo para ganhar um dinheirinho a mais. Quem não se lembra da brasileira que colocou sua primeira vez à venda, mas que na 'Hora H' acabou desistindo? Pois é, parece que ela está fazendo moda mesmo. Isso porque nesta terça-feira, 27, mais um caso desses bizarros acabou sendo divulgado pelo jornal carioca 'O Globo'. Dessa vez, quem está cobrando caro para ter sua primeira experiência sexual é uma estudante de vinte anos, identificada como Ariana. 

Segundo a linda Ariana, ela já se candidatou em um site de acompanhantes sexuais e é ele que está lhe ajudando a conseguir o pretendente preferido.

Publicidade
Publicidade

No site, ela expõe todos os seus dotes. Ela exibe uma beleza peculiar ao mesmo tempo em que demonstra a inocência necessária para quem procura uma mulher não violada. 

"Quero me mudar para outro país e estudar medicina. A universidade é bem cara, o aluguel de um apartamento também é", explicou a estudante dando os motivos que a fazem tornar o que era para ser um momento especial em apenas uma ação monetária. E olha que ela não pediu pouco para irem com ela para cama. O valor inicial do leilão é de incríveis R$ 550 mil.

No Brasil, com esse dinheiro daria para comprar uma boa casa ou até montar um negócio com certo requinte. Caso a pessoa prefira colocar esse dinheiro na caderneta de poupança, ela teria todos os meses mais de R$ 3 mil. 

Em entrevista dada ao site britânico 'Metro', a estudante que sonha um dia ser médica, confessou que os seus pais não sabiam até então que ela estava vendendo o corpo, mas que não teria nenhum problema em falar sobre o assunto com eles.

Publicidade

Por enquanto, no entanto, ela disse que não pretendi contar nada. 

Questionada porque até agora não foi para cama com ninguém, a bela diz que esperava o cara certo, mas que isso não aconteceu. Ao invés de ficar sofrendo, ela agora pretende fazer do limão uma enorme limonada. Tá certa, né?  #Crime #Investigação Criminal