O site do jornal 'O Popular' expôs um caso bizarro, que demostra como a criminalidade pode se estabelecer em algumas cidades brasileiras. Imagens adquiridas com a Polícia Civil mostram o momento que um trio decide de maneira macabra quem irá assassinar um traficante do grupo rival. O jeito escolhido pelos três rapazes, que fazem questão de filmar tudo, foi a brincadeira "zerinho ou um", muito utilizada por crianças como regra para outras brincadeiras. A brincadeira consiste em colocar a mãe fechada, simbolizando o zero, ou então o dedo em riste, simbolizando o um, para que o último seja o escolhido. As vezes quem fica por último se dá bem no "zerinho ou um".

Publicidade
Publicidade

Em outras oportunidades, no entanto, o último é aquele que vai ter que sair correndo dos amiguinhos. 

Dessa vez, a operação também terminou com uma pessoa correndo atrás de outra, mas de um outro suposto bandido. O delegado que investiga o caso conversou com 'O Popular'. Eduardo Carrara diz o nome de quem ganha o tal "zerinho ou um" do #Crime. Segundo o profissional da justiça, o sorteado para realizar a ação é Florisvan da Silva. Quem filma a cena seria a namorada do vencedor. Nas imagens, ela pede que o amado atire na cara "para sangrar muito". Ele parece muito feliz por ter a missão de matar o grande rival do grupo, como se a ação fosse realmente algo muito importante para eles, expondo o quão frio eles seriam.

A ação criminosa foi realizada no interior de Goiás, a mais de 500 quilômetros da capital, Goiânia.

Publicidade

O sorteado na brincadeira foi preso acusado de planejar um homicídio e também de pertencer ao tráfico de drogas. E acredite, a prisão foi um golpe de sorte na vida do rapaz. Isso porque os outros dois que aparecem no vídeo foram assassinados ao entrarem em confronto com a policia. Florivan, no entanto, saiu intacto. Pelo visto, tem alguém que deve gostar muito dele. 

A ação, é claro, virou piada nas redes sociais. A Polícia agora quer saber quem seria assassinado pelo grupo e se essa pessoa realmente chegou a ser morta.  #Investigação Criminal