Uma adolescente de Honduras foi enterrada viva e aparentemente acordou dentro do seu caixão. O #Vídeo mostra o momento em que parentes estão quebrando o túmulo de concreto onde estava a adolescente Neysi Perez, 16, que estava grávida de 3 meses. Ela tinha sido enterrado no dia anterior. Quando abriram o caixão, Perez estava morta. Mas, de acordo com parentes, ela ainda estava quente e tinha hematomas em seus dedos.

O painel de vidro do seu caixão estava quebrado. "Quando coloquei minha mão sobre seu túmulo, eu podia ouvir ruídos no interior," relatou seu marido, Rudy Gonzales, ao portal de noticias Mirror. "Eu a ouvi batendo no caixão, eu ouvi sua voz.

Publicidade
Publicidade

Ela estava pedindo por ajuda". Perez, 16, estava grávida de 3 meses, e, aparentemente, caiu inconsciente quando ouviu muitos tiros perto de sua residência em La Entrada, Honduras ocidental. A adolescente estava espumando pela boca. Seus pais, que são evangélicos, acharam que ela estava com um demônio no corpo e chamaram um padre local, que tentou executar um exorcismo sem resultado. Perez foi levado para o hospital, mas ficou sem sinais vitais e logo foi declarada como morta pelos médicos. 

Três horas mais tarde a jovem foi enterrada vestindo um vestido de casamento. Gonzales foi visitar sua esposa no cemitério um dia após seu enterro. Ele diz que ouviu gritos vindo de dentro do túmulo. No vídeo dá para ver seus parentes quebrando o túmulo de concreto. A garota foi levada para o hospital dentro de seu caixão, mas já era tarde demais.

Publicidade

Médicos novamente a declararam morta. Os médicos relatam que Perez teve um colapso e um ataque de pânico provocados por uma rajada de tiros que aconteceu em sua cidade, vindo a parar seu coração temporariamente.

Eles disseram que também é possível que ela tivesse sofrido um ataque de cataplexia, que é uma perda dos movimentos musculares desencadeado por estresse extremo. Maria Gutierrez (mãe da mulher morta) afirma que Perez estava viva quando foi enterrada, e culpou os médicos por serem muito rápidos em assinar seu atestado de óbito. "Ela não estava morta, todos me diziam que ela estava viva", afirma. Horas mas tarde a adolescente foi enterrada novamente em seu túmulo.

Veja o vídeo logo abaixo:

#Crime #Casos de polícia