A invenção de boatos sobre o comportamento animal são uma das coisas mais comuns que existem. Constantemente nas redes sociais são espalhadas determinadas informações acerca de cachorros, gatos e outros #Animais domésticos, mas muitas vezes é tudo puro mito popular. Nessa lista estão algumas das seis mentiras ditas sobre cachorros que a maioria das pessoas acreditam que sejam verdades:

1 - Quanto maior o #Cachorro, maior o tempo de vida

Acredita-se cegamente que o fato de um cachorro ser grande, significa que ele viverá muito mais tempo que um cão que seja bem menor, porém não é isso que acontece. Isso até é uma verdade em se tratando de outros animais, mas não dos #Cães.

Publicidade
Publicidade

Um pet de tamanho pequeno, na realidade, pode viver muito mais tempo que um grandalhão.

2 - Adoram abraços

Quem não ama abraçar um cachorro? Os seres humanos tem esse constante comportamento com seus bichanos, pois acreditam que eles também apreciam esse carinho. De fato, muitos adoram, mas muitos não apreciam tanto. Diferente do que se pensa, cães podem ter personalidade tão excêntricas quanto os gatos.

3 - Abanar o rabo significa felicidade

Abanar o rabo pode significar felicidade, da mesma forma que pode significar qualquer uma outra emoção. Cães tendem a abanar o rabo pra se expressar e nem sempre isso é felicidade.

4 - Televisões de tela plana fazem mal aos cachorros

Há diversas afirmações de que cães conseguiam enxergar perfeitamente em televisões antigas, mas não conseguem ver direito nas modernas televisões de plasma, e por isso eles costumam latir tanto pra televisão, por estarem incomodados.

Publicidade

Mas isso é outro mito.

5 - Ele só está saudável quando o focinho está molhado

O focinho estar seco ou molhado não indicam exatamente nada sobre o estado de saúde de um cão, sendo esse mais um mito popular. A mudança de personalidade ou comportamento sim podem ser indicativos de problemas em sua saúde.

6 - Comem grama quando estão doentes

Essa é uma das mentiras mais nonsenses sobre esses animais. Eles podem comer grama para marcar o próprio território, mas nunca por supostamente estarem enfermos.