Um dos momentos mais importantes e também complicados na vida de qualquer mulher é a puberdade. Além das emoções da adolescência, o medo de como lidar com a menstruação dão aflição a milhões de garotas. Por vergonha ou falta de informações, muitas delas tentam sofrer caladas e aprenderem sozinhas o que está a acontecer em seus corpos. Esse não era o caso de Katrina Shelton, de dezesseis anos, uma menina que falava sobre o assunto e estava levando as menstruações e o cuidado que isso envolve à risca. O problema foi que algo começou dar errado justamente com uma das grandes revoluções na vida das mulheres, os absorventes. 

De acordo com informações do portal de notícias R7, em matéria publicada nesta quarta-feira, 26, a garota, que é da cidade de Pentwater, no estado do Michigan, nos Estados Unidos, começou a sentir coisas estranhas em seu corpo toda vez que usava o absorvente.

Publicidade
Publicidade

Mas as dores ou uma alergia não eram bem  o problema dela. Katrina, aos 16 anos teve de lidar com uma síndrome rara que intrigou os próprios médicos dela. Ela teve um choque tóxico na sua parte íntima por conta do uso dos absorventes. O que os especialistas sabem é que toda vez que a garota colocava a peça em sua vagina, bactérias começavam a se proliferar. Os anticorpos da adolescente não suportaram tanta pressão e ela começou - literalmente -  a morrer. 

A doença da menina foi só piorando. Achar o diagnóstico estranho e raro não foi fácil. Os médicos diziam que ela estava com gripe, mas com a febre aparecendo e com a garota quase desmaiando pelos cantos, os profissionais da #Saúde precisaram ser um pouco mais solícitos e então começou a corrida para tentar descobrir o que Katrina tinha.

Publicidade

Ela então parou em uma UTI, onde a síndrome foi encontrada. 

"Eu acordei e não podia mover o lado direito do meu corpo. Não conseguia levantar a perna ou o braço e comecei a surtar", disse a menina, que foi orientada a nunca mais a usar absorventes. Agora parece que a coisa ficou realmente não deve mais se repetir com ela. Será?  #Família