A Academia Sueca anunciou, nesta quinta-feira (13), que o músico Bob Dylan venceu o Prêmio #Nobel de Literatura deste ano por ter "criado uma nova expressão poética dentro da grande tradição da canção americana".

Bob Dylan nasceu no dia 24 de maio de 1941, em Duluth, Minnesota, filho de uma família judia americana de classe média. 

Já na adolescência, Dylan tocou em vários grupos e se interessou por se aprofundar na música, com paixão especial pela tradição da música “folk” americana, tendo como um de seus ídolos o mais famoso representante desse gênero, Woody Guthrie.

O músico receberá um diploma, uma medalha de ouro e um prêmio em dinheiro, que este ano é de 8 milhões de coroas suecas (832 mil euros).

Publicidade
Publicidade

Uma grande perda

O governo italiano anunciou nesta quinta-feira o falecimento do ator e dramaturgo Dario Fo, vencedor do prêmio Nobel de Literatura de 1997.

De acordo com o jornal italiano “Corriere dela Sera”, o dramaturgo estava internado havia 12 dias em um hospital em Milão após sofrer uma série de problemas pulmonares.

Dario Fo faleceu aos 90 anos e era conhecido pela sátira política e pela crítica ao clero. Sua obra, “Morte Acidental de um Anarquista”, está em cartaz no Teatro Folha, com atuação de Dan Stulbach.

O espetáculo "Morte Acidental de um Anarquista", baseado em fatos, conta a história de um louco com a doença de interpretar pessoas reais. Transitando entre o real e o imaginário, ele desmonta o poder e acaba descobrindo a verdade escondida.

Prêmio Nobel de Literatura. 

O Nobel de Literatura é um prêmio literário concedido anualmente desde 1901. A Academia Sueca é quem escolhe esse escritor e o anuncia no começo do mês de outubro de cada ano.

Publicidade

Para muitos, é esse o maior e mais distinto prêmio que um escritor ou uma escritora pode receber dentro do ramo da literatura.

Curiosidades sobre o Nobel de Literatura.

Boris Pasternak e Jean-Paul Sartre, dois dos galardoados com o prêmio Nobel de Literatura recusaram-no: Boris Pasternak (1958) por sofrer forte pressão do governo soviético e Jean-Paul Sartre (1964), que alegou que a sua aceitação implicaria perder a sua identidade de filósofo. #Mundo