No cenário da história mundial, os capítulos parecem que são mais vagarosos em algumas situações do que em outras, revelando tramas, conflitos, conspirações e segredos de Estado, que, por vezes, acabam deixando a todos simplesmente incrédulos em relação a tudo aquilo que está sendo dito ou revelado por alguém em especial. E é exatamente isso o que está acontecendo neste momento com Ahmed Khaddafi Al-Dam, que, conforme pode ser notado por alguns no sobrenome desse homem, ele é primo de 1º grau do coronel Muammar Kadhafi, ex-dirigente da Líbia. 

Ahmed Khaddafi Al-Dam fez questão de explicar não muito tempo atrás, quais os verdadeiros motivos que fizeram com que alguns países ocidentais liderados pelos Estados Unidos, de fato, invadissem a Líbia.

Publicidade
Publicidade

Conforme disse Kadhafi, o primo vivo, é certo que o principal motivo da invasão do Ocidente foi a iniciativa do líder da Líbia da época, na criação de uma única moeda para todo o continente africano, ou seja, ele sonhou em criar algo como os "Estados Unidos da África". 

Ainda segundo Ahmed, o acontecimento passou longe de ser visto com bons olhos pelos líderes ocidentais, até mesmo porque entenderam que a iniciativa de Kadhafi, os privaria do farto celeiro de diversas riquezas presentes em solo africano, e eles (políticos e empresários do Ocidente) não se imaginavam viver sem esses vastos recursos naturais. 

Em outras palavras e se falando de uma forma muito franca, rapidamente, Muammar Khaddafi se tornou o principal oponente de peso aos anseios capitalistas na África, uma vez que o mesmo era o grande líder representante dessa possível união africana, conforme explicou o primo do ex-militar líbio em uma entrevista para o canal televisivo RT. 

Ahmed novamente frisou que, inclusive Barack Obama, presidente pelo partido democrata dos Estados Unidos e outros governantes ocidentais já reconheceram a derrubada do coronel Khaddafi como um tendo sido um erro sem precedentes dos aliados ocidentais, pois o término daquele regime de no norte da África, permitiu que surgissem centros especializados na Líbia de formação de células terroristas com atuação mundial, além do bando de imigrantes ilegais e desesperados que partem do seu litoral na tentativa de atingir o continente europeu. 

O parente de Khaddafi exige um pedido de desculpas formal por parte dos norte-americanos, de outros políticos do Ocidente e que a ONU – Organização das Nações Unidas -  investigue o que aconteceu na Líbia em 2011, pois foi no dia 20 de outubro que Muammar Khaddafi foi assassinado por rebeldes suportados pela OTAN – Organização do Tratado do Atlântico Norte, iniciando um longo e sangrento período de guerra civil em terra alheia, provocando a morte de mais de 230 mil indivíduos, principalmente daqueles que têm menor possibilidade de defesa, como idosos, crianças e mulheres.

Publicidade

#Terrorismo #EUA #Refugiados