Um dos temas mais polêmico da sociedade moderna é a discussão sobre a legalização das drogas. Não faltam opiniões e argumentos para os dois lados da questão. Que o diga a jornalista norte-americana Charlo Greene. De acordo com informações do portal de notícias UOL, a profissional da mídia decidiu se demitir ao vivo do local onde trabalhava. O motivo? Ela queria continuar na luta pela legalização da maconha. Agora isso tudo pode virar um grande pesadelo na vida de Charlo e ela passar décadas na prisão. Isso porque o estado onde a americana vive, o Alaska, tem leis severas a respeito da droga. A jornalista é acusada por quatorze crimes diferentes. 

O caso virou manchete de vários sites e jornais de todo o mundo, como o 'The Guardian', que diz que as penas somadas podem chegar a 54 anos.

Publicidade
Publicidade

O pedido de demissão da apresentadora foi feito há dois anos, em setembro de 2014. Tudo depois que a emissora onde ela trabalhava exibiu uma matéria sobre os esforços da sociedade para descriminalizar o consumo da maconha no Alaska.  "F***-se, eu me demito", exclamou ela ao vivo. Isso tudo depois da âncora dizer em tempo real que reuniria seus esforços e energias para mais liberdade e justiça, incluindo nisso, é clro, o uso da droga para os moradores do estado. 

Ainda na transmissão em que se demitiu, a ex-apresentadora acabou confessando o que seria um dos seus crimes, ela é a dona do Alaska Cannabis Club, organização que ajuda pacientes que precisam da droga para tratamento médico. A partir daí, não deu outra. Os Estados Unidos decidiram começar uma investigação contra a profissional. A polícia do Alaska acabou fazendo várias incursões policiais no local.

Publicidade

Segundo os agentes da lei, Greene é acusada por má conduta através de uma substância a qual é necessário um cuidado controlado. 

É bom lembrar que atualmente o uso recreativo da droga é permitido no estado em que a repórter se rebelou. Uma lei permite esse tido de recreação desde fevereiro do ano passado. No entanto, o clube que pertencia a profissional da mídia foi criado antes disso. "Você quase fica tonto quanto tenta entender isso", disse ela sobre o fato de poder pastar o resto da vida na prisão.  #Crime