O site da National Geographic noticiou que, pela primeira vez, arqueólogos acharam pés de maconha bem preservados, colocados junto aos restos mortais de um corpo de cerca de 2.500 anos.  A descoberta, feita no noroeste da China, mais precisamente no cemitério Jiayi, localizado em Turpan, está sendo encarada pelos pesquisadores como um fato extraordinário, pois o achado aumenta a compreensão sobre a forma como antigas culturas usavam a planta.

Segundo a National Geographic, o arqueólogo Hongen Jiang e seus colegas publicaram um relatório na revista Economic Botany, descrevendo o corpo encontrado como sendo o de um homem de cerca de 35 anos, apresentando características pertencentes à etnia caucasiana do povo que habita a região onde o cadáver foi encontrado.

Publicidade
Publicidade

Vários pés de maconha

Os pesquisadores relataram que, em cima do peito do cadáver, que tinha sua cabeça apoiada em uma espécie de travesseiro feito de junco, foram encontrados treze pés de maconha dispostos na diagonal, de forma que as raízes apontavam para sua pélvis, com as partes de cima das plantas voltadas para o lado esquerdo do rosto.

Uma datação feita por radiocarbono do conteúdo da tumba revelou aos arqueólogos que o enterro do corpo se deu entre 2.400 e 2.800 anos atrás.

A matéria publicada no site da National Geographic salientou que a descoberta, de acordo com Hongen Jiang, reforça a teoria de que o consumo de maconha era bastante popular entre a população que vivia antigamente na região de Turpan, uma vez que outras tumbas já haviam sido descobertas antes contendo pequenas partes ou porções de cannabis, como por exemplo, folhas em pó e sementes.

Publicidade

O que os arqueólogos pretendem saber agora é o principal propósito da planta para as populações antigas, pois além de suas propriedades psicoativas, a fibra da maconha é durável, podendo ser utilizada na fabricação de tecidos, e suas sementes são bastante nutritivas, contendo grandes quantidades de óleo.

Entretanto, ainda de acordo com a National Geographic, não foram encontrados tecidos feitos de fibra de maconha nas tumbas em Turpan, e a quantidade de sementes localizada era muito pequena para servir como uma fonte prática de alimento, o que leva os pesquisadores a suspeitarem que o uso da cannabis era mesmo feito por causa de sua ação no sistema nervoso, tendo aplicações rituais e medicinais. #Curiosidades #China