Incrível. Essa palavra serve para definir o vídeo de um objeto voador não identificado (ovni/UFO), que sobrevoa a cidade de Aguadillia, em Porto Rico, até cair no mar e voltar à superfície, onde, inexplicavelmente, ele se divide em duas estruturas com a mesma circunferência.

Embora a gravação tenha sido feita em abril de 2013, pelo pessoal do Serviço de Alfândega e Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos (CBP, sigla em inglês), somente agora, no final de outubro de 2016, o vídeo foi exposto ao mundo, por meio de um misterioso agente do Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos, de acordo com informações do jornal britânico Daily Mirror, edição de terça-feira (25).

Publicidade
Publicidade

Durante a filmagem, com 2min37seg de duração, um UFO metálico e de formato sólido - porém indefinido -, parece ser observado por um satélite do CBP, ou por uma câmera de visão noturna acoplada a um helicóptero.

No decorrer do episódio, o ovni é flagrado sobrevoando o território do município de Aguadillia, exatamente à 1h22 da madrugada (horário exposto na câmera), na mais completa escuridão. O objeto também não apresenta as peculiares luzes emanadas pelos discos voadores.

Após ser acompanhado em movimento por mais de dois minutos, o UFO mergulha no mar, contudo, mesmo submerso, ele mantém a trajetória até retornar à superfície e se dividir em dois ovnis idênticos - é até difícil de explicar uma cena tão bizarra quanto essa.

Na avaliação do ex-Ministro da Defesa da Grã-Bretanha, Nick Pope, que atualmente investiga ocorrências de ovnis, o vídeo é autêntico.

Publicidade

Segundo ele, a hipótese de um robô experimental seria a explicação mais plausível.

No entanto, Pope avalia que a ideia não se sustenta devido ao fato do UFO se dividir em duas partes. “Mas a entrada [no mar] e a aparente divisão em dois objetos faz com que até mesmo essa explicação pareça improvável", observa o inglês.

Conforme um comunicado do porta-voz da Coalizão Científica para a Ufologia (SCU, sigla em inglês), a estrutura seria de origem extraplanetária.

"Não há explicação para um objeto viajar debaixo da água a mais de 90 mph com um impacto mínimo, uma vez que entra na água, pelo ar a 120 mph em baixa altitude através de uma área residencial sem luzes de navegação e finalmente, parece ser capaz de se dividir em dois objetos distintos”, avalia o porta-voz.

No momento, seis cientistas ligados a SCU investigam o evento com objetivo de autentificar a gravação e desvendar o enigma do inusitado objeto.

Abaixo, veja o vídeo, inédito no Brasil, até agora.

#Curiosidades #Viral #Internet