Quando os médicos receberam Joshua Millinson, com apenas 13 dias de vida, nem queriam acreditar no que estavam vendo. Do hospital de Wolverhampton, o bebê ainda foi para Birmingham, mas nada pode ser feito, para que sua morte fosse evitada. Os médicos assistiram às lesões mais graves que alguma vez poderiam imaginar, em que os danos cerebrais seriam os mais. #Pai e #mãe estão em Tribunal, respondendo por esse crime bárbaro, que está chocando a Inglaterra. 

O pai do menino, Daniel Sanzone, de 23 anos, é o principal acusado do crime. No Tribunal, ele está negando todas as acusações mas, alegadamente, o bebê estaria sob sua guarda quando tudo aconteceu.

Publicidade
Publicidade

Tudo não, uma vez que a autópsia veio provar que as agressões já vinham de antes. O médico legista revelouque o menino tinha fraturas mais antigas nas pernas e nas costelas. 

No entanto, o que motivou sua ida para o hospital, já em parada cardíaca, foram as lesões cerebrais. Os médicos falam que, nesses treze dias de vida, esse menino foi "apertado", "agitado" e "agarrado à força", o que explica as fraturas e graves lesões. O consultor neuropatologista, Daniel Du Plessis, revelou que "nunca viu anda assim" e que não havia uma única parte do cérebro do menino que não tivesse sofrido uma lesão. Os maiores danos teriam sido provocados, quando o bebê ficou algum tempo sem sangue nem oxigênio circulando no cérebro, o que lhe foi fatal, e fez com que os danos fossem irreversíveis. 

Em resumo, depois de tamanhas lesões no cérebro e na cervical, o menino parou de respirar e o seu coração parou.

Publicidade

E foi essa parada cardíaca que ainda provocou maiores danos cerebrais, que causariam sua morte. Só nessa última parte, é que a família de Joshua tentou seu socorro, contatando a emergência.  

Alegadamente, quando isso aconteceu, os pais do bebê, Daniel e Zoe Howell, de 19 anos, estavam separados há mais de uma semana. Mas, quando os paramédicos chegaram para assistir o menino, viram a avó, Sharon Howell, tentando reanimá-lo e os pais estavam "agindo histericamente". 

O caso está correndo em Tribunal, com o pai, Daniel, sendo acusado pelo assassinato do filho, enquanto que a mãe, Zoe, está respondendo por ter permitido a morte do seu filho, e ainda crueldade infantil.  #Bebês