Emma Edwards precisou passar por uma cesárea para dar à luz a sua bebê Karmen. Porém, durante a cirurgia, o médico cortou a cabecinha da criança com um bisturi, levando a um corte de quase quatro centímetros perto de um dos olhos e de uma das orelhas.

O que aconteceu?

Emma recebeu a notícia de que precisaria passar por uma cesárea porque a bebê era muito grande para o parto normal. Porém, as pesquisas mostram que é impossível verificar com certeza o tamanho e o peso do bebê apenas por meio de um ultrassom. Portanto, a cesárea não deveria ter sido exigida nesse caso.

Mas Emma confiou em seu médico e foi ao hospital na data e hora marcadas para a cirurgia.

Publicidade
Publicidade

Às 8 horas da manhã ela estava no hospital, onde esperou até as 5 horas da tarde para então ser informada que a cesárea havia sido cancelada porque a clínica estava superlotada, sendo remarcada para o próximo dia.

Emma passou a noite no hospital e no dia seguinte precisou aguardar até o meio dia, horário em que foi informada que - novamente- a cirurgia havia sido cancelada.

Neste dia, Emma foi para a sua casa e na mesma madrugada sua bolsa estourou. Então, ela e seu companheiro correram ao hospital, informando que tinha muita dor, muitas contrações e que a bolsa havia estourado. Porém, ela foi mal atendida. 

Às 10 da manhã, Emma foi encaminhada para cesárea. Quando Karmen nasceu, ela foi encaminhada para uma unidade especial. Ao questionar toda essa correria, a mãe foi informada que o médico, acidentalmente, havia feito um corte na cabeça da bebê.

Publicidade

A explicação do médico? Ele disse que a Emma que ela deveria ter informado que a bolsa tinha rompido e que ela estava em trabalho de parto. Porém, Emma tinha informado sua situação assim que chegou ao hospital, tanto que em seu histórico estavam registradas estas informações.

A situação é ainda pior: Karmen só levou pontos no dia seguinte ao parto, já que não havia nenhum cirurgião plástico de plantão.

A Secretaria de Saúde local diz estar investigando o caso para averiguar os fatos e responsabilizar os culpados. #Erro Médico #cesaria #Acidente