Uma brasileira foi espancada e estuprada na Itália. Ela tem 48 anos e foi violentada por 3 homens que a levaram para um barraco que fica perto de uma estação, mais próxima à periferia de Roma. A identidade da brasileira estuprada não foi divulgada, sendo que o #Crime aconteceu no dia 25 de setembro, mas só agora está sendo divulgado.

Os estupradores já foram presos, sendo eles: um homem tunisiano de 31 anos e outro argelino de 27 anos. O terceiro suspeito é uma mulher, de 23 anos, romena, que é namorada de um dos estupradores e também participou do crime.

A brasileira chegou ao pronto-socorro muito machucada e informou que foi sequestrada, espancada e também violentada pelo trio.

Publicidade
Publicidade

Ela se recusou a ter relações sexuais com os dois homens e por isso eles a arrastaram para o barracão onde a violentaram. Ao chegarem no local ela teve suas mãos amarradas para trás e não teve nem como tentar se defender. Ela foi estuprada tantas vezes que até acabou desmaiando, não tendo mais noção do que passou em seguida.

Algum tempo depois ela acordou e viu que estava sangrando muito. Ela olhou para o lado e viu que o grupo estava dormindo, então ela aproveitou para se levantar em silêncio e saiu com muito cuidado para não acordá-los. Assim que ela saiu do barracão, correu desesperadamente em busca de ajuda.

A polícia informou que os 3 acusados de #Estupro coletivo contra a brasileira já são velhos conhecidos e também responderão por roubarem um cidadão tunisiano. O assalto foi na mesma região onde a brasileira foi abordada, por isso a polícia acredita que com a prisão do trio, o local estará mais seguro, entretanto é uma zona de bastante insegurança e todos precisam ficar sempre bem atentos ao passar pelo local.

Publicidade

O alerta então fica para os brasileiros e principalmente as brasileiras que forem a outros países, que sempre tomem muito cuidado, não frequentem local desconhecido sozinhos, preferindo sempre andar em grupo e de preferência com um guia, evitando assim os locais que ofereçam maior risco. #Violência