Um casal australiano foi condenado, acusado de torturar e abusar sexualmente da própria filha durante 15 anos. Nas sessões de tortura eram incluídos vários objetos afiados para ferir a garota. Os abusos aconteciam num galpão, nas propriedades da família, que se localizava numa zona rural de Nova Gales do Sul, na Austrália.

A menina começou a ser abusada quando tinha apenas 5 anos de idade, e quando tinha 8 anos, sua mãe a ensinava a despertar o desejo sexual em seu pai. As sessões de tortura e abusos sexuais aconteciam em um galpão velho em ruínas, que ficava dentro das terras de seus pais. A garota chegava a ficar até três dias consecutivos sofrendo maus-tratos.

Publicidade
Publicidade

O pai da jovem, que não teve a identidade revelada, e tem atualmente 59 anos, utilizava diversos objetos pontiagudos para cometer os abusos contra a filha. Durante as sessões de tortura estava incluso enrolar a vítima em arames farpados, deixar sua cabeça submersa nas águas de um córrego, forçá-la a comer pimentões picantes, além de ameaçá-la com um motosserra.

Durante quinze anos de sua vida, a vítima, agora com 24 anos, sofreu vários tipos de abusos com frequência. A violência só foi descoberta após a moça ser internada em um hospital psiquiátrico e revelar o drama em que vivia. A denúncia contra os pais da jovem foi feita em 2011.

Seu pai foi preso em outubro de 2013 e condenado por 73 crimes em junho deste ano. Esta sexta-feira (28), a juíza Sarah Huggett, do Tribunal Distrital de Sidney, determinou a sentença de 48 anos de prisão.

Publicidade

Ele irá cumprir prisão em regime fechado por 36 anos, e após esse período, poderá solicitar responder em liberdade condicional.

A mãe da garota, que também não teve sua identidade revelada, está com 51 anos e foi condenada a 16 anos de prisão, sobre acusação de ter cometido 13 crimes, dentre eles, o #Crime de atentado ao pudor. Ela também poderá solicitar liberdade condicional, após cumprir 11 anos de reclusão.

A vítima teve sua identidade mantida em sigilo, para preservar sua integridade física e emocional. Não foram divulgados dados atuais da vítima, mas o que todos esperam é que ela possa ter uma vida normal de hoje em diante. #Investigação Criminal