O comércio ilegal de drogas e entorpecentes é um problema de âmbito mundial, que lamentavelmente tem nos seus exércitos de colaboradores, pessoas de todas as nacionalidades e que provocam a desestabilização em todos os países e grupos étnicos distintos que esses alucinógenos se fazem presentes, independente da raiz cultura de cada um. Diante dessa triste realidade, no último dia 3 de outubro foi preso um casal de cidadãos brasileiros no Aeroporto Internacional Eleftherios Venizelos em Atenas, capital da Grécia, sob a acusação de tráfico de drogas. 

A polícia grega prendeu o homem de 24 anos de idade e a sua companheira com 27 anos, logo que desembarcaram em Atenas, procedentes de um voo oriundo da cidade de Zurique na Suíça.

Publicidade
Publicidade

Os brasileiros traziam consigo o contrabando equivalente 2,240 quilos de pasta de cocaína. 

A droga estava acondicionada em 212 pequenos sacos plásticos, que eles haviam engolido, o que é uma tentativa mais do que comum de contrabando feito pelas “mulas”, como são chamados os traficantes que engolem o entorpecente dessa forma, no sentido de passarem desapercebidos pela polícia e seguranças nos aeroportos

Os policiais gregos através de investigações prévias conseguiram desmantelar o esquema e descobrir que o par de indivíduos suspeitos fazia parte de uma rede internacional de tráfico de grande abrangência em grandes proporções, que estava transportando já há algum tempo, uma quantidade expressiva de cocaína de alguns países produtores da América Latina para a #Europa, mais especificamente para a Grécia, país localizado na região dos Bálcãs

Os dois suspeitos foram conduzidos presos perante a presença do Procurador grego do Tribunal em Atenas, responsável por cuidar desses tipos de delitos e posteriormente foram levados para despacho com a autoridade denominada naquele país como Magistrado Investigativo.

Publicidade

Os dois brasileiros permanecem encarcerados à disposição da Justiça grega, uma vez que o tráfico de drogas na Grécia é considerado um #Crime de máxima gravidade. #Investigação Criminal