Quando a menina Lynlee Boemer ainda estava na barriga de sua mãe, próximo de completar 16 semanas de gestação, os médicos diagnosticaram um tumor em sua coluna, foi assim que teve início a historia do bebê que nasceu duas vezes, em Lewisville, no Texas.

 Logo após os médicos descobrirem o #Tumor conhecido por teratoma sacrococcígeo, eles conversaram com a mãe da criança a senhora Lynlee Margaret Boemer, sobre duas opções para o caso.  A primeira opção era interromper a gravidez ou optar por uma cirurgia de grande risco para a menina, pois as chances da criança sobreviver eram de apenas de 50%. A cirurgia era delicada e exigia que a menina fosse retirada do útero da mãe.

Publicidade
Publicidade

A mãe da menina, que havia perdido a outra filha gêmea de Lynlee, escolheu fazer a cirurgia, a mulher afirmou que essa era única chance de ver uma filha viver. E assim, ao completar 23 semanas de gestação, a menina de apenas 530 gramas foi retirada da barriga de sua mãe para realização da cirurgia no Hospital Infantil do Estado do Texas.

A retirada do tumor durou, aproximadamente, vinte minutos e, além da equipe médica, foi necessário um especialista para manter a menina viva, pois o coração da pequena parou de funcionar durante a cirurgia. Como o tumor estava em tamanho avançado, foi preciso efetuar um corte grande, mas, felizmente, ocorreu tudo bem e a menina foi colocada novamente dentro da barriga de sua mãe.

Segundo informações do doutor Darrel Cass, médico do Hospital Infantil do Texas, esse tipo de tumor, teratoma sacrococcígeo, embora seja raro, é comum acometer #Bebês.

Publicidade

Ele conta também que o teratoma sacrococcígeo não tem causa especifica e são mais diagnosticados em meninas.

Depois da cirurgia, a mãe da menina ficou 12 semanas de repouso total e, pela segunda vez, a pequena Lynlee veio ao mundo. A menina nasceu com 2,4 kg e passou bem, ficou aguardando uma segunda cirurgia para a retirada total do tumor. Atualmente, mãe e filha estão bem e se recuperando das cirurgias que foram bem sucedidas, às quais foram submetidas. #nasceuduasvezes