Lochlan Olden tem nove anos e costumava jogar #Futebol nas equipes mais jovens, no campeonato do país de Gales. No entanto, sua vida mudou, quando foi atropelado por um homem que estava dirigindo bêbado e drogado. Isso aconteceu em maio desse ano, e, como resultado, o menino ficou com lesões para sempre, depois de perder sua perna esquerda. Como se já não bastasse, o menino, que até já caminha e corre com ajuda de uma prótese, ficou proibido de jogar futebol com os coleguinhas por uma questão de "segurança" dos outros meninos. 

Depois de perder a perna, o menino ficou muito triste, mas as lesões eram graves demais e os médicos não tiveram alternativa e tiveram mesmo que avançar com esse procedimento cirúrgico.

Publicidade
Publicidade

A alegria de Lochlan parecia estar voltando quando teve colocada uma prótese de carbono, ficando com uma perna falsa, mas com os médicos garantindo que assim ele até iria poder jogar novamente. Para uma criança de nove anos, receber essa notícia, teria sido a melhor coisa dos últimos meses, depois do grave acidente que lhe teria arruinado também o sonho de se tornar futebolista profissional. Mas, acontecesse o que acontecesse, pelo menos ele iria poder jogar novamente com os amigos, na sua equipe. 

Durou pouco o sonho de Lochlan, porque no final de apenas um jogo, os responsáveis pelo campeonato, concordaram que o menino estava colocando os adversários em perigo, por estar jogando com uma perna falsa. Aliás, não só baniram o menino de praticar o esporte, como ainda passaram uma multa para o time dele, de vinte libras, por razões de "saúde e segurança".

Publicidade

Para os responsáveis pelo campeonato de sub-10 galês, o menino pode magoar os adversários com a prótese de carbono que está usando, no lugar da perna, que perdeu no acidente. 

Paul Cartlidge é o treinador de Lochlan no Treforest FC e não esconde sua desilusão pela decisão tomada. O problema não está na multa que considerou insignificante, mas sim pela injustiça que estão fazendo com esse menino. "Não existe decência humana nessa decisão", falou o treinador, revoltado com essa posição dos organizadores do campeonato. O menino continua treinando com os colegas durante a semana, mas não pode competir no final de semana, ficando ainda mais triste por ficar de fora da partida.  #crianças #Europa