Desde o enigmático acidente ocorrido com o foguete Falcon 9, que explodiu (apesar dos motores estarem desligados) na plataforma de lançamento do Cabo Canaveral, na Flórida (EUA), em 1º de setembro, diversas teorias conspiratórias surgiram na internet para explicar o evento.

Devido ao fato de uma estrutura esférica ter sido filmada momentos antes da destruição do aparelho, "conspirólogos" começaram a afirmar que o objeto da empresa Space X, fundada por Elon Musk, fora sabotado.

Embora seja incomum grandes empresas concordarem com teorias conspiratórias, a ideia de sabotagem está sendo encarada com seriedade por Musk e funcionários.

Publicidade
Publicidade

De acordo com informações do jornal norte-americano Washington Post, e da #Mídia Observador de Santa Mônica (Santa Monica Observer), membros da Space X suspeitam que a principal empresa concorrente, United Launch Associates (ULA), que ocupa um edifício na instalação de lançamento do Centro Espacial Kennedy, no Cabo Canaveral - local onde se deu a explosão - possa estar envolvida no “incidente”.

Apesar da Space X não comentar diretamente sobre o objeto voador não identificado (ovni/UFO), gravado instantes antes da explosão, a teoria avalia que a ULA tenha lançado um drone e disparado um feixe a laser sobre o Falcon 9, que acabou explodindo na sequência do avistamento.

Mesmo que o pressuposto de um hipotético ataque alienígena ao foguete não tenha sido completamente descartado, o fato é que a ULA e a Space X competem por centenas de milhões de dólares em contratos com o governo norte-americano.

Publicidade

Enfim, esse seria um bom motivo para impedir o avanço da empresa do magnata da tecnologia Elon Musk, também fundador da Tesla Motors e do PayPal.

Em declarações recentes no Twitter, Musk admitiu que todas as possibilidades óbvias para o desastre foram descartadas. Em decorrência da falta de explicação para o episódio, ele revelou estar investigando possibilidades menos lógicas – sabotagem ou intervenção extraterrestre.

Visita à empresa rival

Conforme o jornalista Christian Davenport (Washington Post), um funcionário da Space X visitou as instalações da rival ULA, no Cabo Canaveral. Ele solicitou acesso a um dos telhados do edifício, localizado apenas a 1,6 quilômetro de onde o foguete estava.

Além disso, o prédio da ULA está situado no mesmo trajeto da plataforma de lançamento e apresenta uma visão nítida do local, segundo o periodista Davenport.

Contudo, apesar da tentativa do empregado de Musk em avaliar o telhado da empresa concorrente, com o propósito de encontrar provas substâncias sobre um possível lançamento de drone naquela data, ele teve o acesso negado pelos funcionários da ULA.

Publicidade

Porém, foi permitido aos investigadores da Força Aérea analisar o ambiente. As autoridades militares inspecionaram o telhado e disseram não haver indícios que possam ligar a explosão a algum lançamento secreto de drone da ULA.

No entanto, a única certeza envolvendo todo esse mistério é que um objeto esférico surgiu segundos antes do foguete Falcon 9 ser destruído.

Ao que tudo indica, a hipótese de um boicote alienígena contra a Space X ainda continua latente. Pelo menos, até descobrirem os verdadeiros engenheiros por trás do objeto.   

Abaixo, veja o vídeo do momento exato em que o UFO surge instantes antes da explosão. Ele já conta com mais de um milhão e duzentas mil visualizações.

#Curiosidades #Viral