Conseguir um bom emprego, especialmente em tempos de crise, não é nada fácil não é mesmo. Boa parte dos brasileiros já sabe disso. Tanto é que o desemprego chega a marca de doze milhões de pessoas aqui no país. Mas as terras tupiniquins não são as únicas a terem habitantes com dificuldades para conseguir uma alocação no mercado de trabalho. Com mais de um bilhão de habitantes, a China é outro país que tem gente demais e trabalho de menos. Por lá, as pessoas costumam trabalhar mais de doze horas por dia, tudo para conseguir ter um meio de conseguirem sobreviver. Ou seja, a situação realmente não é nada fácil. 

No entanto, uma das empresas está exagerando na dose.

Publicidade
Publicidade

Uma das companhias do país causou revolta ao propor um novo modo de trabalhar. O objetivo dela era estreitar os laços entre empregados e gestores, mas acabou sendo acusada de fazer atos ofensivos, que são chamados de bizarros, além de configurarem uma grave crise ética e moral. Para melhorar a aproximação de sua equipe, ao invés de baterem o ponto em maquininhas, funcionárias tem que fazer uma fila para dar um belo beijo em seu chefe. A ação, assim como outras tarefas, tem até hora para acontecer. Sempre, às nove da manhã, elas aparecem e começam o trabalho. 

As imagens, segundo informações do portal de notícias R7, em matéria publicada nesta terça-feira, 11, foram feitas em uma cervejaria no distrito de Tongzhou e não demoraram muito para viralizararem nas redes sociais. "Como essas trabalhadoras aceitam isso? Será que seus namorados ou maridos sabem?", questionou uma das pessoas que viu as publicações na rede social da China, já que por lá o Facebook não faz tanto sucesso.

Publicidade

Uma das explicações é o modo do alfabeto local ser diferente e, mesmo com adaptações, as mudanças não pegaram. 

O chefe nega que a ação seja um assédio. Ele garante que, muito pelo contrário, isso apenas faz com que ele tenha uma relação mais forte com as trabalhadoras. Homens, no entanto, não podem, nem querendo beijarem o seu gestor. Que coisa, não?  #Crime #Investigação Criminal