Mulheres de toda a América Latina estão postando a hashtag #NiUnaMenos desde que mais um brutal assassinato foi cometido contra uma jovem na Argentina.

Lucía Pérez, de apenas 16 anos, foi violentada e assassinada por dois homens. Depois de drogarem a garota, Matías Farías, de 23 anos, e Juan Pablo Offidani, de 41, a estupraram repetidas vezes, não apenas utilizando os órgãos genitais, mas também algum tipo de bastão. A violência sofrida pela jovem foi tamanha, que ela não resistiu e faleceu.

Para tentar “disfarçar” o crime, eles lavaram o corpo de Lucía, vestiram roupas limpas e a levaram até um centro de saúde na cidade costeira de Mar del Plata, onde disseram para a equipe local que ela havia desmaiado após consumir muitas drogas. Além dos dois, um terceiro envolvido foi preso.

Publicidade
Publicidade

Alejandro Alberto Masiel foi acusado de ajudar a acobertar o crime. De acordo com o jornal El País, a promotora que está a frente do caso, María Isabel Sánchez disse que jamais viu um caso tão forte.

A comoção na Argentina, e em outros países da América Latina é gigantesca, reascendendo o debate sobre o feminicídio no país. Além da mobilização que pede penas severas em caso de feminicídio, milhares estão postando #NiUnaMenos (nenhuma a menos), como forma de cobrar penas mais severas nesse tipo de caso.

Desde a morte de Lucía, que ocorreu no dia 8 de outubro, outras três mulheres foram vítimas de feminicídio na Argentina. Silvia Filomena Ruiz, de 55 anos, foi esfaqueada pelo ex-marido; Marilyn Méndez, de 28 e grávida de três meses, também foi esfaqueada pelo ex e Vanesa Débora Moreno, de 38, foi apunhalada no último domingo, não há informações se o autor deste último crime seria conhecido pela vítima.

Publicidade

#NiUnaMenos

De acordo com a Suprema Corte de Justiça da Argentina, um feminicídio é cometido a cada 36 horas no país. Por ano, esse tipo de crime mata ao menos 235 mulheres. Para tentar frear a estatística, a campanha #NiUnaMenos foi abraçada por ao menos 50 organizações, que convocaram uma paralisação de uma hora, para protestar contra as agressões e assassinatos contra mulheres.

O feminicídio é um crime muito específico. Uma forma de identificá-lo é quando a vítima é assassinada em razões da condição de sexo feminino. Geralmente, o crime é praticado por homens que se recusam que suas companheiras, ou ex-companheiras, sigam com suas vidas normalmente. #Abuso #Estupro #Mulher