O pior pesadelo daqueles que apóiam a candidatura de #hillary clinton aconteceu na manhã dessa sexta-feira, 28 de outubro. O diretor do FBI, James Comey, reabriu uma investigação que deseja descobrir se a ex-Secretária de Estado e candidata à presidência da República usou o Departamento de Estado para se beneficiar política e financeiramente, através de acordos espúrios e recebimento de propina.

Segundo o Daily Wire, James Comey escreveu a oito membros executivos da CPI responsável pelo caso: "Em testemunhos prévios ao congresso, eu aludi ao fato de que o a Polícia Federal (FBI) havia completado sua investigação da Ex-Secretária de Defesa Hillary Clinton sobre o uso de um servidor privado de e-mail.

Publicidade
Publicidade

Devido a novos elementos, desejo através desta lhes informar que farei uma revisão dos mesmos".

O presidente do Comitê Judiciário do Congresso, Bob Goodlatte, emitiu uma nota dizendo: "A decisão da Polícia Federal reabrir suas investigações sobre a Secretária Clinton reforça o que esta comissão tem dito há meses: quanto mais aprendemos sobre o uso que ela fez de seu email privado, mais ficamos convencidos de que ela e seus associados cometeram crimes e colocaram em risco a segurança nacional. Agora que o FBI reabriu a questão, precisa realizar a investigação de maneira completa e imparcial. O povo americano merece isso e ninguém deve estar acima da lei"

O FBI já vinha sendo muito criticado por ter emitido, no mês passado, parecer afirmando que Hillary havida sido, pelo menos, "muito desleixada" no uso de seus e-mails, e que, apesar de ter apagado e-mails considerados secretos não entendia que "nenhum procurador iria indiciar a ex-secretária por isso".

Publicidade

Novos vazamentos realizados pela Wikileaks, no entanto, vinham deixando a população mais e mais incrédula quanto à lisura do processo contra Hillary. Às vesperas das eleições, a Polícia Federal tenta manter sua credibilidade, com efeitos cataclísmicos para a candidada esquerdista.

Nunca na história dos EUA, um candidato foi eleito sob investigação do FBI. Um voto em Hillary passou a ser um voto no seu vice, o Senador Tim Kaine, caso a candidata seja condenada e presa depois de eleita. A questão agora será como a campanha de Hillary vai conseguir controlar tamanho dano no momento em que as pesquisas mostram forte ascensão de Donald Trump em nível nacional, e nos estados decisivos como a Flórida e o Maine.

Vasculhar o passado do bilionário atrás de palavras rudes e mau comportamento não tem funcionado, já que o povo americano parece mais preocupado com as questões políticas do que com ataques pessoais. Pesquisas também mostram que a maioria dos Americanos não acredita que Hillary seja honesta. Enlamear mais ainda a campanha pode ser o último erro da campanha do Partido Democrata. #Eleições EUA 2016