A quarta-feira (19) foi marcada pela condenação de quatro brasileiros que atuavam em garimpos na Guiana Francesa. Eles foram sentenciados pela morte de oficiais franceses, registradas em junho de 2012. As penas aplicadas foram diferentes, já que dois dos quatro acusados que não estavam no tribunal foram punidos mais severamente. Para os que estavam diante do juiz, as penas foram de 18 e 20 anos de prisão.

Dentre os réus ausentes, um é apontado como o chefe do “bando”. Para ele a punição foi a prisão perpétua. Para o segundo envolvido que não compareceu a pena foi de 30 anos de privação de liberdade. O banco dos réus ocorreu na Martinica, no denominado Tribunal Especial Criminal de Fort de France.

Publicidade
Publicidade

Não existem entre França e Brasil acordos para extradição de acusados de crimes.

Conforme noticiou a imprensa francesa, os quatro garimpeiros foram apontados por organizar e executar o assassinato de dois militares, durante uma operação do exército e demais forças militares. A operação tinha o objetivo de coibir extrações ilegais de ouro na Guiana, naquele ano em 2012.

Os parentes dos militares mortos chegaram a viajar para a região do julgamento, mas não conseguiram acompanhar o veredicto, oficializado após quatro horas de deliberações. Os condenados ausentes não terão o direito de apelar. Para os presentes foram concedidos dez dias de prazo.

A emboscada

As autoridades francesas chegaram a conclusão que os assassinatos de Stéphane Moralia, de 28 anos, e Sebastien Pissot, de 33 anos, foram premeditados. Eles foram mortos no dia 27 de junho de 2012, quando integravam uma força-tarefa de combate à exploração irregular de minério na região de Dorlin, localizada no sudoeste da Guiana Francesa.

Publicidade

As investigações dão conta que os dois oficiais caíram numa emboscada. Enquanto Pissot morreu imediatamente após o ataque, o outro oficial, Moralia, ficou profundamente ferido, mas ainda resistiu algumas horas. Além deles, caíram na armadilha mais três gendarmes. Estes, porém, sobreviveram aos ferimentos. #Crime #Casos de polícia