À medida que a organização terrorista do #Estado Islâmico continua a sofrer retrocessos no Iraque, os militantes do grupo terrorista vêm utilizando vários métodos brutais para punir seus combatentes, capturados tentando fugir do campo de batalha. A  Agência de Notícias Ahlulbayt relata que uma fonte de segurança, não identificada, na província de Nínive, disse à agência de notícias iraquiana al-Sumaria, no dia 30 de setembro, que o grupo terrorista (também conhecido como ISIS ou ISIL) torturou 25 de seus próprios militantes logo após eles serem capturados tentando deixar o campo de batalha, enquanto enfrenta uma severa luta contra as forças iraquianas em Mosul.

Publicidade
Publicidade

Segundo a fonte, os militantes foram detidos pela primeira vez em uma prisão no centro de Mosul. Em seguida, eles foram levados para um hospital da cidade onde lhes foi cortada a parte superior de uma das orelhas. Os líderes do ISIS ainda ameaçaram cortar ambas as orelhas se algum deles fosse apanhado a querer fugir do campo de batalha novamente.

O grupo terrorista ISIS tem sido capaz de recrutar milhares de estrangeiros radicalizados de todo o mundo para se juntar as suas tropas. A fonte, que preferiu permanecer anônima com medo de represália do grupo, disse ao portal de notícias iraquiano al-Sumaria que alguns dos militantes punidos por fugir do campo de batalha em Mossul eram de nacionalidade francesa e chinesa.

Uma vez que o ISIS ficou conhecido por matar militantes capturados fugindo do campo de batalha em algumas das maneiras mais hediondas que se possa imaginar, é possível que tenha optado por não matar esses 25 militantes devido a uma escassez de combatentes.

Publicidade

A fonte explicou que o grupo terrorista está sofrendo com um declínio de militantes, já que muitos fugiram do chamado califado e outros militantes foram executados por tentarem fazer o mesmo.

Esta não é a primeira vez que o ISIS teria cortado as orelhas de pessoas em Mosul. Em outubro passado, segundo a mídia local, o grupo terrorista teria cortado as orelhas de 42 civis que foram acusados de "insultar o Estado Islâmico". #Terrorismo #Crime