Quem já pensou ter visto de tudo na vida, engana-se redondamente, pois, agora, surge um fenômeno coletivo, que perde o seu ar lúdico e ingênuo e passa a ter conotação maldosa, a saber: o aparecimento nas grandes cidades e até vilas interioranas de pessoas vestidas de palhaços. Os episódios têm acontecido bastante nos Estados Unidos, mas a “moda” ridícula também chegou ao Estado de São Paulo, no Brasil, aterrorizando os moradores dessas regiões. Toda essa série de aparições meio que fantasmagóricas e de brincadeira, no mínimo de mal gosto, já tem trazido prejuízo financeiro ao comércio e um exemplo claro disso, é que a rede norte-americana de fast-food, McDonald’s, se antecipou em tomar uma ação drástica para evitar o caos entre os seus clientes e público em geral, causado basicamente pela coulrofobia - pavor mórbido de palhaços. 

Enfim, as lanchonetes da rede irão “ocultar”, mesmo que temporariamente, o seu principal “garoto-propaganda” ou mascote que é o simbólico Ronald McDonald, que é um #Palhaço.

Publicidade
Publicidade

Um porta-voz oficial da empresa McDonald’s e das franquias que representam a marca pelo mundo afora, foi destacado para vir em público e dizer que o grupo empresarial está em estado de alerta pelo ambiente nocivo oriundo do aparecimento sem sentido e causa aparente de inúmeros palhaços em diferentes regiões, o que só tem feito assustar os moradores dessas localidades. Sendo assim, as demonstrações e aparições com o Ronald McDonald cada vez diminuirão mais

Desde muito tempo, a peruca muito vermelha, o macacão amarelo e a maquiagem caricata, são algumas das características principais que compõe o personagem do Ronald McDonald, ou seja, o palhaço é o próprio cartão de visitas do McDonald’s. Por outro lado, todos esses casos de manifestações agressivas e incômodas de palhaços em locais públicos, têm coibido que a “mascote do bem” do restaurante possa também estar visível a todos. 

A cidade de Greenville, no Estado norte-americano da Carolina do Sul, foi uma das primeiras localidades em agosto de 2016, que registrou oficialmente o surgimento de palhaços que em troca de dinheiro, estavam convidando as crianças nativas para que fossem com eles até a floresta, sabe-se lá com que intenção.

Publicidade

Infelizmente os suspeitos em questão não foram detidos até o momento. 

A partir de então, centenas de outros registros foram feitos nos Estados Unidos e em outros países distantes entre si, acerca da manifestação massiva de palhaços em locais públicos, ruas escuras e cemitérios. Não faz muito tempo que uma mãe em São Francisco, na Califórnia, relatou que teve de lutar fisicamente com um homem trajado de palhaço que quis roubar a sua pequena filha e na cosmopolita cidade de Nova York, um outro indivíduo também vestido de palhaço fazia questão de amedrontar os passageiros do metrô, portando uma faca nas mãos. Aonde tudo isso vai parar? É a pergunta que não quer calar. #Crime #EUA