Uma mulher de 27 anos, natural da Austrália, foi condenada a oito anos de prisão pela #Morte do seu filho, Lochlan, de apenas cinco meses. De acordo com os dados recolhidos pelo jornal português Correio da Manhã, o bebê foi encontrado morto em Hamilton Hill, na Austrália, em janeiro de 2014, e apresentava vários ferimentos na cabeça e também marcas espalhadas pelo seu corpo que facilmente demonstravam atos de violência.

Quando a criança foi encontrada morta em 2014, foram realizados posteriormente vários testes ao corpo da vítima para ser possível determinar as causas da morte. Através desses testes, foi possível detectar que a criança de cinco meses tinha metanfetaminas no seu organismo.

Publicidade
Publicidade

Durante o seu julgamento, a mulher, Melissa Louise Bulloch, desmentiu o #Crime, inicialmente afirmando que não se lembrava de ter matado o seu filho. No entanto, a Proteção de Menores apresentou uma gravação que tinha em sua posse em que era possível ouvir uma conversa telefônica de Melissa pedindo desculpas pela morte de Lochlan. Depois destas provas serem apresentadas em tribunal, a mulher não teve qualquer chance, acabando por admitir o crime realizado em 2014. Contudo, no final do julgamento, Melissa disse que está arrependida por todo o mal que fez a Lochlan.

Segundo o mesmo jornal português, já era habitual Melissa fumar canábis muito perto da criança, fazendo com que todo o fumo fosse inalado pelo seu filho. Por este motivo, o juiz considerou durante o julgamento que Melissa vivia dependente de drogas e que esta dependência pode ter afetado as suas ações contra o seu filho, já que os maus-tratos eram recorrentes contra a criança.

Publicidade

O Correio da Manhã divulgou também que a criança era frequentemente abandonada no carro pela sua mãe.

Melissa Bulloch pediu ao juiz durante o seu julgamento que uma carta escrita por si fosse lida naquele local para todas as pessoas que estavam presentes no julgamento. Nessa carta foi possível destacar uma frase em que Melissa afirma que vive todos os dias pensando que nunca foi uma mãe decente para o seu filho e que, por isso, nunca o verá crescer. #Violência