Kayden Culp continua em coma, internado no hospital do Texas, nos Estados Unidos da América. O menino de dez anos foi #Incendiado pelos colegas, em um caso que está dando muito o que falar. É que o menino tem algumas deficiências na audição e na fala, por essa razão, ele poderia estar sendo vítima de bullying pelos colegas. Supostamente, o menino estava brincando com três colegas, quando esses teriam lhe tocado fogo, pelo menos é o que argumenta a mãe de Kayden

Por ter necessidades especiais, as outras crianças faziam chacota de Kayden na escola. Apesar disso, o menino acabava sempre perdoando e voltava a ser amigo deles, de acordo com os testemunhos da família.

Publicidade
Publicidade

No dia do incidente, no caminho de helicóptero para o hospital, Kaylen ainda teria conseguido contar para a mãe o que tinha acabado de acontecer, quando ele foi incendiado. O menino teria mesmo apontado o nome do colega que o tinha incendiado. 

A mãe percebeu, de dentro de casa, que algo estava se passando quando viu o barracão ardendo. Ela sabia que Kaylen e os amigos estariam brincando por ali e saiu correndo. Quando chegou, viu o filho ardendo. O menino ficou com 20% do seu corpo queimado, com queimaduras de segundo e terceiro grau, ferimentos graves que forçaram que mais tarde tivesse que entrar em coma induzido para não sofrer tanto.

Entretanto, a mãe do menino exige que as três #crianças sejam responsabilizadas e fala mesmo em tentativa de homicídio. Para a mãe de Kayden, eles teriam feito isso de propósito, ao contrário da polícia, que acredita que tudo não passou de um acidente.

Publicidade

A investigação está decorrendo e uma das crianças até foi detida, a que supostamente teria lançado fogo sobre o menino. De acordo com David Knight, chefe da polícia, as crianças estariam brincando com fogo, em uma parte do barracão, e teriam incendiado um recipiente de acelerador, que uma das crianças teria atirado, depois, contra Kayden. 

A verdade é que esse menino foi o único ferido nesse caso, o que pode revelar alguma culpa da parte dos outros, como a mãe defende, por causa de um passado de #bullying que ela conhecia, mas também pode ter sido um acidente, resultado de uma brincadeira de crianças. A investigação vai continuar.