As tropas brasileiras que se dedicam à missão de paz das Nações Unidas no Haiti foram transferidas para uma área no sul do País que tem sido a mais afetada pelo #furacão #Matthew, considerada a pior tempestade do Caribe nos últimos dez anos. Segundo a ONU, mais de 860 pessoas foram mortas até agora, e cerca de 30 % do País sofreu danos, mais de 1,8 mil casas foram destruídas com a passagem do furacão Matthew, em que os ventos passaram de 200 km por hora.

O desastre deixou 350 mil pessoas na extrema necessidade de ajuda, especialmente na parte sul da ilha. Pelo menos 330 dos militares brasileiros foram enviados para o sul.

Publicidade
Publicidade

Eles vão ajudar a entregar suprimentos de emergência para as vítimas e na remoção dos escombros que bloquearam as estradas. Algumas partes do sul do Haiti ainda tem de ser alcançada por terra. Desde o terremoto de 2010, os militares brasileiros têm sido baseados essencialmente em Port-au-Prince, a capital do País.

Cerca de 90% da cidade havia sido destruída em 2010, causando a morte de mais de 300 mil pessoas. Membros das Forças Armadas do Brasil têm testemunhado o que eles descrevem como uma "cena de guerra", e o número de vítimas deve aumentar ao longo dos próximos dias. Geral Ajax Porto Pinheiro disse a uma rádio da ONU que, para além da perda humana, o furacão causou um desastre ambiental no Haiti. Segundo ele, as ondas, no litoral sul, chegaram a mais de 3 metros de altura. "É muito impressionante como a natureza foi afetada; árvores e colheitas foram derrubadas.

Publicidade

Cada campo de banana foi destruído ", disse ele.

Eleições presidenciais do Haiti foram inicialmente programadas para domingo, 9 outubro, mas foram adiadas. Uma nova data ainda não foi anunciada. O país está passando por um vazio institucional, pois o segundo turno da eleição presidencial de 2015 nunca aconteceu devido a acusações de fraude durante o primeiro turno. Depois do mandato que o presidente Michel Martelly concluiu no início deste ano, o presidente do Senado assumiu por um período de 120 dias. Desde junho, no entanto, o País não tem uma liderança oficial. #Mundo