Com medo de que fosse revelado o caso amoroso que mantinha com seu sogro, uma mãe Italiana matou, com crueldade, o próprio filho. A criança teria visto os dois fazendo #sexo.

O #Crime aconteceu em novembro de 2014, mas só na semana passada, Sicília Veronica Panarello, de 28 anos, foi sentenciada a 30 anos de cadeia pelo assassinato de seu filho, de 8 anos de idade, Loris Stival, e já se encontra presa.

No início das investigações, Sicília conseguiu desviar a atenção de todos para longe de si. Ela disse à polícia que Loris tinha desaparecido na escola, levando os investigadores a começar a apurar o que parecia ser um caso de sequestro.

Publicidade
Publicidade

Porém, imagens das câmeras de segurança ao redor da escola revelaram que o garoto nem sequer havia ido à aula naquele dia, algo que divergia com a versão contada pela mãe, quando relatou ter levado o filho à escola e, só na hora da saída, descobrira o suposto “desaparecimento”. 

Mais tarde, entretanto, o corpo do menino foi encontrado por um caçador em um barranco nos arredores de Santa Croce, cidade onde a família morava.

As pistas encontradas levaram a polícia de volta a Sicília, que acabou por confessar ser, de fato, a autora do homicídio. Durante audiência, ela disse que temia ter seu segredo revelado, pois a criança já havia descoberto sobre o relacionamento amoroso com seu sogro, Andrea Stival.

A mulher relatou ter enforcado Loris com cabos elétricos e, na esperança de que o corpo não fosse encontrado, jogou-o numa vala, mas agora se diz arrependida.

Publicidade

De fato, foram encontradas escoriações em volta do pescoço de Loris e uma grande ferida na cabeça (provavelmente causada pela queda). Além disso, ela afirmou não ter agido sozinha, mas sim com a ajuda de Andrea.

Em sua defesa, o avô negou qualquer participação no crime, disse amar o seu neto e acusou Sicília de mentir e ser louca. Não muito longe disso, a promotoria a classificou como egocêntrica, enganadora e manipuladora.

Entretanto, Andrea continua a ser investigado e futuramente pode ser acusado de ter participação o crime. #Morte