Dizem que amigos são as pessoas que mais querem nos ver felizes, mas, na Indonésia, uma mulher não aguentou ver a sua melhor amiga transbordando de felicidade e esse foi o motivo pelo qual ela cometeu o #assassinato. Jessica Wongso, 28 anos, colocou cianureto no café da amiga, para que ela nunca mais desse um sorriso de felicidade e agora ela foi condenada a 20 anos de prisão.

Jéssica reside na Austrália e o assassinato de sua amiga foi no início desse ano. Wayan Mirna tinha 27 anos e elas estavam juntas em uma cafeteria conversando normalmente. Enquanto Wayan pensava que estava tendo um momento de lazer com sua amiga, Jéssica estava era tramando sua morte.

Publicidade
Publicidade

O julgamento da assassina contou com três juízes e o magistrado que presidia determinou que a falsa amiga cometeu "assassinato premeditado de forma vil e sádica". Binsar Gultom, juiz local, informou que Jéssica vinha tendo uma série de problemas, tanto pessoal, como também trabalhista e até social. Ela estava extremamente infeliz, vendo tudo em sua vida dar errado e não conseguia fazer nada que lhe trouxesse realização pessoal. Foi então que ela percebeu como sua amiga estava feliz, estava muito bem casada, realizada, esbanjando alegria por onde passava e foi então que resolveu matá-la.

Quando foi citado o veredicto da sentença, a assassina não demonstrou nenhuma emoção, ficou imóvel por um tempo e depois disse que não concordava com a decisão porque considerava que não foram imparciais para com ela.

Publicidade

A defesa de Jéssica consultou pelo menos dois especialistas forenses e eles garantiram que não há como afirmar que Wayan Mirna morreu devido ao veneno, já que a autópsia não foi realizada. Um dos especialistas informou que no estômago da vítima havia uma quantidade muito pequena de cianeto e que ela pode ter morrido por uma série de outros fatores.

Os juízes alegaram que 120mg de cianeto já é suficiente para matar uma pessoa e no corpo da vítima havia mais de 300mg, por isso decidiram por considerá-la culpada. O advogado de defesa prometeu recorrer da sentença. #Crime #Casos de polícia