O caso aconteceu no último dia (14), na ocasião um passageiro que estava abordo do vôo da companhia Delta, acabou sofrendo um mal súbito. Por sorte uma médica chamada de Tamika Cross estava a bordo no mesmo vôo. Mas para a infelicidade da jovem, no vôo haviam pessoas preconceituosas, as quais não permitiram, que a médica atendesse o passageiro com problemas de saúde. Após o incidente, Tamika, relatou o caso através de sua conta no Facebook.

Na ocasião, a moça contou que a primeira tentativa para ajudar o paciente acabou mal sucedida, onde os demais passageiros não permitiram que ela se aproximasse do doente, alegando de que seu estado de saúde já havia melhorado.

Publicidade
Publicidade

Entretanto minutos mais tarde, na frente de todos os passageiros, uma comissária de bordo solicitou pela ajuda de um médico. Tamika conta que na ocasião, levantou sua mão, mas a comissária fez questão de reprimi-la dizendo. ''Você não querida estamos precisando de médicos ou enfermeiros''.

A moça conta que tentou avisar a tripulação de que era médica, mas foi interrompida por várias vezes. Quando a tripulação resolveu dar-lhe a devida atenção pediram sua documentação, especialidade, além do local de trabalho e por qual motivo estaria em Detroit, cidade onde o avião havia decolado.

Em determinando momento, um passageiro branco levantou-se de sua poltrona a fim de oferecer sua ajuda. Na ocasião, os comissários, mais uma vez lhe disseram. "Obrigado por sua ajuda mas ele poderá nos ajudar ele já apresentou sua documentação''.

Publicidade

Mas de acordo com Tamika, nenhuma documentação foi solicitada ao passageiro e ele pôde se aproximar do paciente por se enquadrar no padrão de um médico.

Por sorte o passageiro teve uma melhora, e para isso a médica conseguiu contribuir um pouco com sua especialização. No fim da viagem, a tripulação acabou reconhecendo o ato preconceituoso onde acabaram desculpando-se pelo tratamento que foi imposto a jovem. Como forma de desculpar pelo mal entendido, a companhia Delta acabou lhe oferecendo milhas de viagens.

A jovem fez questão de recusar e afirma que não precisa de milhas, como forma de acobertamento de um ato de discriminação. A jovem diz ter sido vítima de discriminação por conta da cor da pele. A empresa por sua vez, alega que está investigando o caso onde pretende punir os responsáveis. #Preconceito #Entretenimento #Curiosidades