O preconceito pode ser realmente muito forte em muitas regiões do mundo. Um dos países que isso está muito intrínseco na sociedade é os Estados Unidos. Uma médica ginecologista e obstetra, identificada como Tamila Cross, é a prova de que no país governado por Barack Obama a cor pode impedir alguém até de salvar vidas, mesmo que essa seja de um branco. Um voo onde ela estava, que ia da cidade de Detroit para Houston, teve um dos seus passageiros passando muito mal.

De acordo com relatos da própria americana no Facebook, uma das pessoas que estava no avião começou a passar mal a apenas duas cadeiras de sua frente. No entanto, mesmo sendo médica, ela foi impedida por uma comissária de bordo de salvar a vida do homem. O motivo é a aeromoça não aceitar que ela fosse médica e negra ao mesmo tempo.

Publicidade
Publicidade

Até os cabelos trançados da moça viraram motivos de perguntas. Enquanto isso, o homem continuava a passar muito mal no avião. 

"Eu naturalmente entrei no 'modo doutora' quando percebi que ninguém estava se levantando para ajudá-lo', escreveu a médica em inglês. O caso ganhou grande repercussão aqui no Brasil, como mostra uma matéria publicada no site da RedeTV!. Tamila disse que logo destravou o cinto e foi ajudar o homem. No entanto, a aeromoça mandou todos ficarem calmos, dizendo que o passageiro apenas tinha passado por um pesadelo. A mulher então somente pôde acompanhar tudo de longe. Os demais passageiros começaram a ficar revoltados com a situação. 

O homem continuou a passar mãe, fazendo com que a comissária de bordo perguntasse se havia algum médico na aeronave. Após ouvir pedidos com negativas, a médica levantou a mão, mas  foi ignorada.

Publicidade

Ela só aceitou o salvamento, quando um homem, branco e sem mostrar qualquer documento apareceu para salvar a vida do homem. No final da viagem, a aeromoça foi conversar com a médica, pediu desculpas e ofereceu milhas pelo acontecido. A americana não aceitou e disse que o preconceito não podia ser pago apenas com uma viagem de avião. Que situação, né?  #Crime #Investigação Criminal