A Rússia, em mais um de seus métodos inovadores, encontra-se sempre preparada para uma possível guerra, ou um possível confronto com seus oponentes. Desta vez resolveu criar um estoque de armamentos de guerra, infláveis. A única intenção e deixar o inimigo sem saber qual o tamanho real da Força Militar russa, pois os equipamentos os deixariam confusos.

O armamento inflável é feito de plástico resistente, que será cheio por compressores. Essa é uma antiga estratégia da Rússia, chamada de “maskirovka”, que em nosso idioma tem significado de camuflagem.

O arsenal de plástico servirá em caso de um possível #Ataque da Europa Ocidental à Rússia, pois é muito parecido com o verdadeiro. Se visto de cima, num ataque aéreo, dificilmente o adversário saberá que não é real.

Publicidade
Publicidade

Então eles irão atacar e gastar munições nos falsos tanques, jatos e outros armamentos russos. Os adversários ficarão confusos a respeito o tamanho exato da força russa.

A estratégia da “maskirovka” vai muito além da camuflagem; ela tem como tática principal despistar e desorientar os inimigos. Na União Soviética eram vendidos, dentro do país, mapas que continham informações erradas, para que, caso um espião tivesse acesso, não pudesse dar uma orientação real.

A empresa de balões Rusbal é quem está fornecendo ao Ministério de Defesa da Rússia o arsenal dos equipamentos infláveis. Segundo o New York Times, o engenheiro responsável por fiscalizar a venda do novo empreendimento militar afirmou que nunca ninguém ganhou "honestamente" as maiores batalhas da História, e que a enganação ganha sempre, pois o combate se faz em grande parte do meio do controlo de informação e do elemento surpresa.

Publicidade

A Rusbal empregou 80 novos funcionários para a fabricação das “armas de brinquedo”. Além dos balões que já produzia, agora confecciona tanques de guerra, lançadores de mísseis e jatos infláveis. 

Maria Oparina, diretora da Rusbal, não informou quantos armamentos infláveis já haviam sido produzidos, uma vez que é informação sigilosa. Apenas disse que a produção cresceu muito nos últimos 12 meses. Revelou que o contrato é apenas uma pequena parte do programa de rearmamento, lançado pelo governo russo em 2010, no valor de US$ 660 bilhões.

Segundo Oparina, não existe cavalheirismo numa guerra; quem tiver as melhores táticas, e os melhores truques será o vencedor.

Um exemplo famoso de utilização de armamentos falsos aconteceu na Segunda Guerra Mundial. O general alemão Rommel, chefe do exército em luta no deserto do Norte de África, recorreu várias vezes à construção de tanques falsos, para confundir seus adversários britânicos. Rommel enfrentava dificuldades no envio de reforços vindos da Alemanha, numa altura avançada da guerra, e quando o esforço principal dos nazistas era na Rússia. #Russia #Mundo