Nessa quarta-feira (12), o presidente da Rússia, Vladimir Putin, pediu que todos os funcionários do governo e seus parentes que estão no exterior voltem para casa. O pedido do Kremlin veio em um momento de tensões diplomáticas entre a Rússia e os Estados Unidos.

Políticos e figuras do alto escalão do governo russo disseram terem recebido um aviso do presidente Vladimir Putin para trazer seus entes queridos “de volta para a pátria", de acordo com a mídia local. O pedido veio depois de Putin ter cancelado uma visita que faria à França, após o presidente francês François Hollande ter criticado a participação da Rússia no conflito da Síria e o apoio de Putin ao governo de Assad.

Publicidade
Publicidade

As tensões com os Estados Unidos aumentaram após a Rússia ter feito movimentos militares em que mísseis com capacidade nuclear foram posicionados na fronteira próxima à Polônia. O ex-líder soviético Mikhail Gorbachev também alertou que o #Mundo está em um "ponto perigoso", devido ao aumento das tensões entre a Rússia e os #EUA.

De acordo com o jornal 'Daily Star', os funcionários públicos e todos os legisladores do governo foram recomendados a levarem seus filhos das escolas estrangeiras. Caso os funcionários não sigam as recomendações, estarão colocando em risco as suas chances de promoção.

“As razões exatas para essa ordem ainda não estão claras. Mas isto é tudo parte de um pacote de medidas de preparação para uma possível grande guerra", disse o cientista político russo Stanislav Belkovsky.

Publicidade

Relações frias 

As relações entre a Rússia e os Estados Unidos estão em seu mais baixo nível desde a Guerra Fria e pioraram após Washington ter acusado Moscou de ter ordenado um ataque de hackers contra os EUA. O Kremlin também suspendeu uma série de pactos nucleares, como a cooperação de redução dos estoques de plutônio para fins bélicos. 

A Rússia também se sentiu incomodada, após o banimento da equipe paralímpica dos Jogos Olímpicos Rio 2016, em meio a uma acusação internacional de doping patrocinada pelo estado. 

Hillary Clinton

Enquanto isso, conselheiros pessoais de Hillary Clinton disseram que o FBI está investigando a participação da Rússia, no caso dos e-mails que foram hackeados e divulgados na internet em meio à campanha eleitoral da candidata democrata. As autoridades russas rejeitaram as acusações de intromissão nas eleições presidenciais dos Estados Unidos. #Russia