O número de mortes causadas pelo furação Matthew tem aumentado consideravelmente nas últimas horas, e estima-se que, até o momento, 877 vítimas foram a óbito e milhares estão desabrigadas, sem luz elétrica e sem alimentos. Segundo dados, essa é a maior crise enfrentada em 6 anos, e o lugar mais afetado é o Haiti, que já é reconhecido por sua falta e recursos e níveis elevados de pobreza e doenças. 

O governo já se preocupa com a questão sanitária e estima que poderá ocorrer um enorme surto de cólera, tendo em vista que as águas estão contaminadas devido às inundações ocorridas. Uma catástrofe dessa magnitude não traz somente percas materiais consigo, além das mortes imediatas, há consequências a longo prazo, como a propagação de doenças, tendo em vista que há o contato direto com locais contaminados, ingestão de alimentos e águas impróprios para o consumo e por consequência a propagação de doenças. 

A ONU (organização das Nações Unidas) já se manifestou no sentido de pedir ajuda de todas as  partes a fim de evitar que essa catástrofe tenha consequências mais danosas, pedindo então o envio de água, roupa, alimentos entre outros recursos, mas por conta dos fortes ventos,que derrubou pontes e fechou estradas, a ajuda demorou muito a chegar, o que piorou a situação. 

Atualmente, o furacão perdeu força, e de categoria 4 passou para categoria 2, recentemente atingiu a região da Geórgia, onde já passou com muito menos violência do que quando atingiu as regiões das Bahamas, Caribe e Haiti.

Publicidade
Publicidade

Agora Matthew caminha para a região da carolina do Sul. 

Há uma grande preocupação do governo em alertar aqueles estados em que o furacão ainda não passou, através de avisos via TV, internet, entre outros meio, pedindo para que as pessoas evacuem desses locais pois não há como saber se o furação continuará perdendo força ou se poderá aumentar de categoria. A prevenção é melhor nesses casos pois o Haiti, que foi um dos primeiros a ser atingidos pela fúria da natureza traz o maior número de vítimas, cerca de 800 mortes. #Mundo #Matthew