Você pode não ser cristão, mas certamente já ouvir falar no nome de #Jesus Cristo, seguramente o nome mais conhecido e falado da #História moderna. Entre o que está na bíblia e o que os historiadores consideram ser verdade há muita distância. No entanto, até eles comprovam: Jesus realmente existiu e não faltam provas disso. Uma delas foi reaberta, depois de muitos anos, nessa semana. Em quase 500 anos, cientistas foram autorizados a abrirem a tumba de Cristo, localizada em Jerusalém. De acordo com a história, o salvador da humanidade foi levado para lá depois da crucificação. Jesus, segundo a bíblia, ressuscitou depois de três dias e depois virou apenas um espírito.

Publicidade
Publicidade

Por isso, o corpo dele não pode ser encontrado. 

A tumba de Jesus é considerada o local mais sagrado do cristianismo. Pessoas de todo mundo vão até o local para ficarem perto do local onde o filho de Maria de Nazaré foi colocado após a tortura dos romanos. A última vez que o local havia sido aberto foi em 1555. Dessa vez, por conta da importância do momento, cada segundo foi registrado. O objetivo dos cientistas é analisar a pedra onde o corpo de Cristo foi deixado. Talvez, quem sabe, fazer descobertas em torno do homem que se tornou líder de uma das maiores religiões do planeta, além de ser motivo principal do novo testamento. 

Um arqueólogo também acompanhou as escavações. Os cientistas ficaram emocionados com o que viram. O objetivo da verificação também serve para evitar com que o local desabe.

Publicidade

Através de radares, eles descobriram que as cavernas que seguram a basílica estão em perfeito estado, mesmo após vários milênios. "O que foi encontrado é surpreendente", contou um dos arqueólogos, que não escondeu a emoção de estar vivendo um momento histórico da humanidade. Segundo a bíblia, Cristo morreu aos 33 anos de idade. 

O local onde ele foi colocado após a crucificação não é a única prova de sua existência. O Vaticano também possui um pano, no qual Jesus foi enrolado. As marcas de sangue exibem o rosto dele, que já até foi reconstituído por softwares modernos.