Uma emissora de TV árabe publicou um vídeo chocante de um bombardeio ocorrido na madrugada de segunda-feira (10) em Talbisah, em que mostra o desespero de uma #criança #síria (identificada como Ayah, de 8 anos) ao procurar seu pai. A menina foi ferida durante um bombardeio aéreo e aparece no vídeo com o rosto ensanguentado e sendo atendida por médicos que a limpam e amparam a menina desesperada. A menina gritava diversas vezes por "baba" (papai). Veja o vídeo no final da matéria. 

A emissora informou que a menina encontrou seu pai na tarde de segunda-feira, em um hospital montado na cidade para atender aos feridos.

Entenda o caso

Com aproximadamente 84 mil habitantes, Talbisah vem sendo alvo dos ataques russos em apoio ao presidente Bashar al-Assad. A Síria vem sendo notícia em diversos jornais espalhados pelo mundo.

Publicidade
Publicidade

As crianças estão sendo o símbolo dessa guerra.

Não é a primeira vez que uma imagem choca o mundo inteiro com tamanha brutalidade e infelizmente este não será também o último caso. Até quando as crianças terão que sofrer pelos atos cometidos pelos adultos? Crianças, grávidas, idosos, inocentes. A guerra não está mais escolhendo seu alvo, apenas criando formas de amedrontar as populações e criando assim cada vez mais comunidades de refugiados que enfrentam, além do medo em seu país, o preconceito, a não aceitação, discriminação, falta de respeito, a fome e muitas outras coisas quando decidem fugir de seu país e adentrar em novos territórios. Mesmo fugindo de toda a violência que ocorre em seu país, os refugiados sírios ainda precisam lidar com o peso de serem identificados como "terroristas".

Publicidade

Até quando as pessoas terão que se submeter a condições precárias para fugir de seu país? Entrar em navios clandestinos com alto risco de afundar, enfrentar a fome, o frio, as péssimas condições de higiene e ainda correrem o risco de serem presas pelo fato de estarem fugindo de uma guerra ?

O ser humano está destruindo cada dia mais o bem mais precioso que possui: a vida. Guerras, discussões, agressões. Até onde isso irá?

#Ataque Terrorista