Um estudo online realizado com a ajuda do aplicativo Slavery Foot Print é capaz de descobrir quantos trabalhadores escravos estão trabalhando ao redor do mundo, tudo para atender aos principais padrões de consumo de muitos consumidores, incluindo você, eu, entre outros.  Ao acessar o site, é disponibilizado um questionário que dura no máximo alguns minutos. As perguntas foram elaboradas para entender melhor o hábito de consumo de cada pessoa. 

Na primeira parte incluiu-se perguntas sobre nome, país de origem, idade, se tem filhos ou não, estado civil, entre outros. As demais perguntas são direcionadas a seus hábitos de consumo, como roupas, eletrodomésticos, alimentação, se possui automóvel e demais bens.

Publicidade
Publicidade

Conforme as perguntas são respondidas, logo você terá a informação de quantas pessoas ao redor do mundo trabalham em condições precárias e sem direitos trabalhistas. Tudo para que você mantenha seu padrão de vida.

De acordo com a #pesquisa, os números assustam. Ao analisarmos o perfil de uma mãe solteira que vive no Brasil com um filho e com baixo padrão de consumo, ela vai precisar de 46 escravos trabalhando para ela e o menino. De acordo com especialistas, o número é considerado bastante assustador para apenas duas pessoas. Já um norte-americano com padrão de vida elevado com dois filhos para criar vai necessitar em torno de 80 escravos trabalhando para satisfazer os hábitos de consumo da família.

O aplicativo também esta disponível para os sistemas operacionais Android e iOS. O principal objetivo no desenvolvimento do aplicativo serve para conscientizar as pessoas em relação ao problema do #trabalho escravo no mundo.

Publicidade

Os desenvolvedores do aplicativo explicam que o objetivo principal destas informações não é para que as pessoas parem de consumir, mas para que busquem um meio de consumo alternativo.

De acordo com dados da ONU divulgados em abril,a prática do trabalho escravo no mundo gira em torno de 150 bilhões de dólares, obtidos de forma ilegal. Outros dados citam que trabalhadores submetidos a estas condições deixam de arrecadar em torno de 20 bilhões de dólares por ano em direitos trabalhistas. #Curiosidades