Donald #Trump surpreendeu nas urnas americanas e foi eleito o 45º Presidente dos Estados Unidos, nesta quarta-feira (9). A democrata Hillary Clinton que estava na frente do republicano, contudo, telefonou ao novo presidente, parabenizando-o pela vitória.

Em seu primeiro discurso como presidente, Trump referiu ao telefonema da rival e deu os parabéns "por uma campanha muito dura". "Hillary trabalhou muito, por muito tempo, e devemos-lhe gratidão pelo seu serviço", completou.

Diferentemente de seus outros discursos, Trump preferiu passar uma mensagem mais positiva. Prometeu levar os Estados Unidos a “duplicar o crescimento e ter a economia mais forte do mundo”.

Publicidade
Publicidade

"Ao mesmo tempo, vamos dar-nos bem com todas as outras nações que queiram ter uma boa relação conosco", afirmou. "Nenhum sonho é demasiado grande", continuou, dizendo ainda que "a América não se contentará com nada menos que o melhor".

"Embora ponhamos os interesses dos Estados Unidos em primeiro, lidaremos com justiça com todos os povos e países. Vamos procurar os pontos comuns e não a hostilidade, a parceria e não o conflito", garantiu. Também, prometeu ser "presidente de todos os americanos, isto é muito importante para mim".

“Agora é tempo de curar as feridas da divisão e de nos juntarmos como um povo unido para reconstruir o país e renovar o sonho americano. Vamos reconstruir as nossas infraestruturas, que se tornarão as melhores do mundo, e vamos pôr milhões dos nossos cidadãos a trabalhar enquanto reconstruímos o país”, prometeu.

Publicidade

As felicitações de Vladimir Putin e Martin Shulz

Vladimir Putin, Presidente da Rússia, "expressou esperança" de um "trabalho em conjunto" para tirar as relações bilaterais "do estado crítico" em que se encontram. “Construir um diálogo construtivo” é do interesse dos dois países e da comunidade internacional.

O Presidente do Parlamento Europeu, Martin Shulz, destacou os "interesses e responsabilidades comuns", esperando uma "cooperação aprofundada" para "enfrentar esses desafios em conjunto". “Este é seguramente um momento difícil nas relações entre os Estados Unidos e a União europeia, mas o novo Presidente eleito dos EUA merece o total respeito das instituições europeias”, afirmou.

" A UE (União Europeia) e os Estados-membros estão certamente prontos a cooperar com o novo Presidente dos Estados Unidos", finalizou, reconhecendo que "não vai ser fácil" pelas ideias de "protecionismo" e pelas "palavras preocupantes sobre mulheres e minorias", manifestadas por Trump. Mas acredita "que o Presidente eleito vai ser diferente do Donald Trump da campanha". #Eleições EUA 2016 #Política